Angra dos Reis Esporte Clube: uma história que vai além das redes sociais

Campeão da Série B2 do Campeonato Carioca ultrapassa divisas estaduais graças à suas páginas na internet

Por Wagner Ponce, SP

Famoso pelas histórias inusitadas e pelo excelente trabalho dos seus “estagiários” nas redes do clube, o Angra dos Reis trouxe para dentro de campo os resultados do seu bom trabalho e conseguiu o acesso à Série B1 do Cariocão. A campanha foi coroada com o título da Série B2, o segundo da sua história.

O Clube

Obviamente você não deve ser um espectador das divisões de acesso do futebol carioca, mas com certeza já ouviu falar no Angra dos Reis Esporte Clube. Fundado em 1999, o time leva o nome da cidade da Costa Verde do estado do Rio de Janeiro e fez sua estreia na terceira divisão carioca já em seu primeiro ano,  quando conseguiu, logo de cara, o título e o acesso. Muitos pensam, mas o Angra não é um clube-empresa. Ele tem um quadro de sócios e eleições realizadas a cada três anos. Suas receitas vêm de colaboradores, patrocinadores e algumas ajudas vindas de empresários da região, que ajudam de forma direta ou indireta.

Eram 18 anos desde a conquista inédita no ano da fundação (foto: reprodução / twitter AngraEC)
Eram 18 anos desde a conquista inédita no ano da fundação (foto: reprodução / twitter AngraEC)

Não é fácil fazer futebol em categorias de acesso, diferentemente do que estamos acostumados, por vermos jogadores com salários milionários e clubes com receitas estratosféricas, alguns atletas do Angra exercem outras atividades no decorrer do ano para conseguirem completar a sua renda. Muitos migram para o futebol amador, outros trabalham em alguma atividade comercial. Não é por acaso que o Angra tem em seu elenco Heider Fidélis, militar e zagueiro da Seleção Militar Brasileira. Aliás, ele é filho de Fidélis, lateral campeão brasileiro pelo Vasco em 74, e da Seleção Brasileira na Copa de 66.

Quase não existe visibilidade para um cenário como esse no futebol. Isto traz uma grande dificuldade na hora dos clubes conseguirem parceiros e patrocinadores, e com o Angra dos Reis não é diferente. O clube tenta mudar esse cenário, investindo o pouco da sua receita nas categorias de base — o time foi campeão carioca do interior na categoria sub-20 em 2015 — e buscando dar mais oportunidades para os jovens da cidade. São poucos os times das divisões inferiores do Rio de Janeiro que oferecem aos seus jogadores alojamentos, bons campos de treinamento, alimentação e academia. Tudo isto o Angra já possui.

Os objetivos

Com todos os méritos, o Angra conseguiu esta semana o título da Série B2, equivalente à terceira divisão do futebol estadual. O resultado veio após o clube ter sido rebaixado no tapetão temporada passada. Em 2018, o time voltará a disputar a Série B1 do Campeonato Carioca, em busca da tão sonhada Série A, onde o time chegou muito perto em duas oportunidades. Em 2005, quando perdeu o título para o Nova Iguaçu, e apenas o campeão conseguia o acesso, e em 2013, ao perder a disputa contra a Cabofriense.

A “ressaca” ainda não passou, mas o planejamento para 2018 já vai começar, porque o nível da divisão acima é bem maior e lá tem equipes mais tradicionais na sua disputa. Os planos começam na busca por novos parceiros. O objetivo é organizar toda a receita e conseguir contratar e manter o elenco em uma realidade onde todos os compromissos com jogadores e comissão técnica sejam honrados.

Os maiores ídolos

Com certeza o centroavante Viola é um dos nomes mais lembrados pela torcida angrense. O tetracampeão mundial atuou no time branco e azul no segundo semestre de 2008, marcando 10 gols pelo tima na campanha da Série B. O meia Abedi também teve destaque com a camisa do Angra. O ex-jogador de Vasco e Botafogo atuou por dois anos com a camisa do Tubarão e conquistou o carinho da torcida.

Angra - FotosViolaPasseiodeLancha 006

Viola num típico passeio pelas ilhas de Angra dos Reis (Foto: divulgação/AngraEC)

O reconhecimento

Para quem acompanha as redes da CL, não é nenhuma novidade a interação e criatividade do Angra dos Reis. Tanto que, quando os grandes veículos começaram a divulgar algumas histórias, por muitas vezes vocês já tinham dado risadas ou compartilhado os “causos” com a gente. Mas quem são esses caras e por quê tomam conta da comunicação do clube?

Roberto e Murilo são dois estudantes de jornalismo do Centro Universitário de Barra Mansa, e se ofereceram para tomarem conta da comunicação. Lá, ganharam liberdade para exercerem o trabalho. Os “estagiários” – forma como eles se autointitulam — têm total apoio da diretoria, comissão técnica e, principalmente, dos jogadores do clube, que se divertem muito com o trabalho feito por eles.

— Pra vocês terem uma ideia, ganhamos até medalha pela conquista do título, conta Roberto.

O torcedor gosta de alegria, de zoação, dar risadas e provocar os rivais, e é isso que todo mundo vai encontrar ao seguir nas redes o clube.

— Falamos de futebol para torcedor, do jeito que ele quer ouvir, sem frescuras. É lógico que um clube grande sofre uma pressão muito maior, mas a essência básica do futebol não pode ser esquecida.

Os "estagiários" Murilo e Roberto com a Taça de Campeão do Angra
Os “estagiários” Murilo e Roberto com a Taça de Campeão do Angra (Foto: Divulgação)

Para todo mundo ter uma ideia, o sucesso do Angra na internet conseguiu até elevar o público do clube, chegando a quebrar o recorde de torcedores em uma partida jogando em casa. Algo extremamente gratificante para a dupla, já que estamos falando de um clube que disputava a terceira divisão.

Vamos relembrar alguns acontecimentos da temporada com a cara do Angra

Vocês por acaso se lembram do caso do “torcedor solitário”? Daniel Oliveira viajou mais de 150km, de Angra até Olaria, no Rio de Janeiro, para assistir sozinho a uma partida do time!

Daniel Oliveira viajou por 7h para ver o Angra jogar (Foto: Futrio)
           Daniel Oliveira viajou por 7h para ver o Angra jogar (Foto: Futrio)

Poucos dias depois o time ERROU o estádio que iria enfrentar o Duquecaxiense, e para a sorte do time, o lateral Arthur sabia chegar no local correto e serviu como guia!

Angra - Arthur

Angra - perdidos
Teve helicóptero dos bombeiros pousando em campo durante um treinamento!

Helicóptero dos bombeiros pousa no Jair Toscano e interrompe treino do Angra (Foto: Alex Mafort/Arquivo Pessoal)Helicóptero dos bombeiros pousa e interrompe treino do Angra (Foto: Alex Mafort/Arquivo Pessoal)

Uma história já antiga, mas bem CL: a gestão do ex-presidente George Fedrizzi, entre 2006 e 2009, tinha um acordo bem inusitado com a torcida. O número de pontos que o Angra conseguisse numa partida, ele pagava em caixas de cerveja. No caso de vitória, eram três caixas, em caso de empate, apenas uma, e nas derrotas, ninguém bebia por conta dele. Curiosamente o time tinha uma ótima média de público! Por que será?!

O acesso e o título

Depois de ser eliminado na semifinal do primeiro turno, após ter feito a melhor campanha, o Angra mais uma vez foi implacável no segundo turno. Terminou em primeiro lugar na classificação geral e, novamente, com a vaga na semifinal para tentar vencer um turno do campeonato. Lembrando que o regulamento do Campeonato Carioca não garante ao vencedor de uma fase acesso ou vaga na decisão geral do campeonato. É confuso mas o torcedor já está acostumado. Com vitórias contra o Bela Vista e Maricá, o Angra conseguia vencer o segundo turno, mas ainda faltava uma vitória para conseguir a vaga na Série B1 de 2018.

No dia 10/09, às 15h, jogando em sua casa, o Tubarão Azul bateu o Rio São Paulo por 1 a 0, gol de Uirá, e conquistou o tão esperado retorno ao segundo pelotão do futebol carioca. Após 15 dias veio a consagração do bom trabalho do técnico Leandro Silva: duas vitórias diante do Santa Cruz, com direito a uma sonora goleada por 4 a 0 no jogo decisivo em Angra dos Reis. Aliás, a última partida foi transmitida pelo Facebook.

Festa em campo para segundo título da história do Angra (foto: Ferj)Festa em campo para comemorar o segundo título da história do clube (foto: Ferj)

Destaques para o já “veterano” Fábio Saci, um dos maiores ídolos do clube, e a revelação Batata: artilheiro e melhor jogador da competição, respectivamente. O jovem meia contou com uma torcida muito especial. A família alugou um ônibus e saiu do Rio de janeiro para assistir ao jogo em Angra dos Reis. E lógico, um fato inusitado aconteceu: assim que ele marcou um gol, um familiar mais exaltado invadiu o campo para comemorar e teve que ser retirado pela polícia.

Fabio Saci foi o artilheiro da Série B2 (Foto: reprodução/twitter AngraEC)Fabio Saci foi o artilheiro da Série B2 (Foto: reprodução/twitter AngraEC)

Para evitar as investidas de outras equipes, a diretoria do Angra já renovou o contrato de Batata para a próxima temporada. Com valores muito acima do esperado para divisões de acesso, dizem os torcedores que em Angra dos Reis o quilo da batata já pode ser considerado o mais caro do Brasil.

Um bar da cidade liberou cerveja de graça para jogadores e comissão técnica após o jogo comemorarem o acesso!

Angra- Bar

O Angra dos Reis Esporte Clube mostra que o futebol vai muito além da cobertura da grande imprensa. São clubes pequenos que empregam mais de 85% dos jogadores profissionais, sendo que 83% ganham menos de 2 mil reais por mês. Quando um time busca se estruturar, construir categorias de base e valorizar os jogadores da sua região, o retorno para a população é algo imensurável. Não pelos títulos ou acessos, mas pelo papel social que ele traz à sua cidade ou bairro.

Parabéns, Angra!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*