Arena Condá – O olho do Furacão do Oeste

Arena Condá vista do alto (Foto: Reprodução/ Fernando Doesse)
Por: Pedro Pereira, MA

Está cada vez mais raro encontrar estádios no Brasil. Sim, estádios. Por onde se vai agora, vemos times modernizando seus estádios e os transformando em arenas multiuso, que acompanham uma alta nos preços dos ingressos e em comidas e bebidas que beiram o absurdo de tão caro. No entanto, uma dessas arenas recebe essa alcunha de forma equivocada, pois é um baita estádio moralizador e que atende aos padrões que GOSTAMOS: arquibancada de cimento, churrasquinho do lado de fora, torcida com bandeirões, grades e arquibancada colada ao campo. Estamos falando da nossa amada Arena Condá.

FOTO: Mário Bertoncini
Construção das arquibancadas no estádio da Chapecoense (Foto: Reprodução/Mário Bertoncini)

 

A “Arena” Condá, que inicialmente tinha o nome de Estádio Regional Índio Condá, é um Estádio Municipal que foi construído em 1976, com o intuito de acomodar a Associação Chapecoense, que foi fundada 3 anos antes e precisava de um local para jogar. Inicialmente ocorreu a construção do campo e, consequentemente, o erguimento das arquibancadas. No período entre 1976 e 2006, a Chape atingiu algumas conquistas graças ao bom trabalho feito dentro de campo e no âmbito administrativo, e sempre contando com o apoio da sua torcida, que criou uma grande identificação com o clube que representava a cidade. O primeiro estadual veio em 1977, após derrotar o Avaí na final pelo placar de 1 a 0.

Em 9 de outubro de 2007, após uma ascensão do time, foi necessário a ampliação e modernização do estádio, que seria denominado Arena Condá, a partir da reforma. No planejamento inicial, outro estádio seria construído afastado da cidade e um Shopping seria erguido na localização atual, o que não ocorreu. As arquibancadas foram estendidas para o aumento da capacidade e o campo rebaixado, o que possibilitou uma melhor visão do gramado. A ampliação possibilitou que o time pudesse disputar partidas das principais competições nacionais que exigiam uma capacidade mínima de 20.000 (atualmente, a Arena Condá tem capacidade para cerca de 22.000 espectadores).

Infelizmente, não foram só os momentos de alegria e de festa que a Arena Condá presenciou. Recentemente, o estádio abrigou os familiares para o velório dos jogadores que morreram no trágico acidente que levava a equipe para Medellín para a disputa da final da Sul-Americana. O estádio estava lotado para ver pela última vez, o elenco vencedor que trouxera tanta alegria e orgulho para a cidade de Chapecó. Após a tragédia, foi levantado a hipótese de uma nova ampliação da Arena, que dobraria sua capacidade e assim, poderia receber finais internacionais.

Fontes: Globoesporte.com, Chapecoense, UFRJ

1 Comentário em Arena Condá – O olho do Furacão do Oeste

  1. De fato, o nosso Índio Condá é um estádio moralizador, que mete pressão nos adversários, que é espaço para festa e confraternização nos dias de jogos, que tem a estátua de um índio e de um tigre (em homenagem ao Atlético Nacional) em seu entorno, que intimida os goleiros, os cobradores de escanteios, os árbitros e que sempre dá uma força enorme ao nosso verdão. Porém, a alcunha de arena, vem devido ao fato de ser uma construção multiuso, na ala sul funciona uma escola e o procon da cidade, na ala norte funciona a secretaria de saúde e a clínica da mulher. A ala leste (arquibancada construída por último) também será multiuso conforme planejamento.
    Em 2017 essa nossa casa voltará a “bufar” e empurrar o verdão para voltarmos a sorrir, abraço confraria!

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*