Celtic x Rangers: rivalidade que transcende as quatro linhas

Religião, política e terrorismo marcam um dos maiores clássicos do mundo

(Foto/Divulgação:FIFA)

Algumas pessoas limitam-se a dizer que o futebol é apenas um esporte e que o mesmo é algo pouco relevante e sem importância. Entretanto, o futebol proporciona embates e rivalidades que não focam apenas em 90 minutos de um jogo disputado e conseguem envolver vários fatores da sociedade. O Clássico “Old Firm”, nome dado ao jogo entre Celtic e Rangers, é um desses casos. A atmosfera criada a partir desse jogo envolve uma rivalidade política, religiosa e até criminosa.

O primeiro jogo entre as duas equipes ocorreu no dia 28 de maio de 1888, e terminou com um placar sonoro de 5 a 2 para o lado verde de Glasgow. Em 1909, rumores de combinações de resultados para forçar um terceiro jogo tomaram a cabeça de 60 mil torcedores, que levou a uma briga generalizada juntamente com a polícia. Começava ali a fase violenta do clássico.

A questão religiosa começou a influenciar no clássico em 1900, quando um estaleiro chamado Harland & Wolf chegou a Glasgow e tinha como norma não aceitar católicos. Aflorava, assim, a questão religiosa na sociedade escocesa. Em 1890, o Rangers já não aceitava jogadores católicos em seu time. No entanto, o Celtic sempre foi aberto para jogadores de outras religiões e fazia questão de tentar recrutar bons jogadores jovens e protestantes para enfraquecer o time azul.

Com a chegada do estaleiro a capital, logo os protestantes começaram a trabalhar e ter uma melhor condição de vida e, com o passar dos tempos, os torcedores do Rangers começaram a ter um posicionamento politico de direita. Já os católicos encontraram mais dificuldade para conseguir emprego. Trabalhavam em indústrias e fábricas, em cargos baixos e logo começou a surgir um movimento operário e de esquerda dentre os torcedores.

(Foto: Reprodução/www.ofutebologo.com.br)
(Foto: Reprodução/www.ofutebologo.com.br)

Além de divergências políticas, religiosas e sociais, outro fator muito preocupante “entra em jogo”: a participação de grupos terroristas nessa rivalidade. O Celtic possui o Irish Republican Army (IRA) como grupo que representa e defende o time por ter os mesmos ideais e posicionamentos que o clube. O Rangers tem o Ulster Volunteer Force (UVF) como seu combatente ao grupo oposto. Um dos casos mais famosos de extremismo foi o do então treinador Neil Lennon, que sofreu com problemas de intolerância religiosa por dez anos. Em 2010, recebeu uma carta bomba em sua casa enviada pelo grupo terrorista. Além desse caso, foi agredido em campo apenas por ser católico.

Após a falência do Rangers e o seu rebaixamento em 2012, o clássico Old Firm passou 4 anos sem  ser disputado. No dia 17 de abril, as equipes voltaram a se enfrentar pela Copa da Escócia e a parte azul de Glasgow pode festejar novamente. A vitória nos penaltis fez o time avançar a final. Na temporada 2016-2017, dois encontros estão marcados: o primeiro ocorre no dia 10 de setembro e tem o Celtic como dono da casa. O jogo do returno ocorre no dia 31 de dezembro.

Casos como esse mostram que o futebol muita das vezes deixa de ser apenas um jogo e passa a representar vários outros fatores sociais. A rivalidade deixa de ser sadia e passa a ser extremista.

 

Texto: Pedro Henrique Pereira (@PHPC97)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*