CRU 2 x 1 VIT – Cruzeiro confirma classificação para tentar espantar a crise

Cruzeiro e Vitória fazem bom jogo em eliminatória da Copa do Brasil

Assim, o Santa Cruz é eliminado da Copa do Brasil, mas o revés classifica o time para a Copa Sul-Americana, em uma dessas situações esdrúxulas que só o absurdo calendário construído pela CBF pode nos proporcionar – inclusive, o jogo de estreia na competição será um clássico contra o Sport.
Ábila marcou seu primeiro gol no Mineirão (Foto: Washington Alves/Cruzeiro EC)

O estádio do Mineirão recebeu o compromisso pela terceira fase da Copa do Brasil entre Cruzeiro e Vitória. Os mineiros chegaram no jogo com o peso de quatro derrotas consecutivas no Brasileiro Série A e a confusão gerada na mídia pelo atacante Riascos. Eles procuravam a classificação para começar a arrancada e saírem da crise. O Vitória, apesar de não vencer a duas rodadas, estava a seis jogos sem perder, tendo sido a última derrota para o próprio Cruzeiro. O time baiano precisava reverter o placar de 2 a 1 para vencer a eliminatória. A partida marcou também a aparição de número 700 do goleiro celeste Fábio, que tem desde 2014 o maior número de aparições pela equipe.

cruvit1
Equipes perfiladas para execução do hino (Foto: Mauricio Paulucci/Globo Esporte)

O técnico do Cruzeiro, Paulo Bento, escalou as novas contratações Rafael Sóbis e Ábila para começarem o jogo. O Vitória vinha com seu time titular, que curiosamente possuía cinco jogadores que passaram pela equipe mineira recentemente. A expectativa de um jogo à altura de dois times da série A foi atendida. Os 10 mil torcedores presentes no estádio viram um bom jogo, com muitas chances de gol, principalmente no segundo tempo.

O primeiro tempo foi marcado por uma certa dominância cruzeirense, já que os volantes foram consistentes na marcação e ao evitarem a criação de jogadas do Vitória. Logo no primeiro minuto, Ábila recebeu em condições e chutou colocado no canto esquerdo. A bola passou com muito perigo. Aos 19 minutos, em falta perto da grande área, Marinho bateu com curva. A bola quicou e desviou, mas Fábio, bem colocado, fez defesa segura e sem rebote. Logo na sequência, Lucas apareceu livre na direita e bateu uma bomba contra o arqueiro Caíque, que fez excelente defesa.

O primeiro gol cruzeirense saiu em lance de cruzamento. Arrascaeta pegou a bola pela direita e lançou Bruno Ramires na cara do gol. A zaga baiana vacilou, e ele completou para dentro do gol. O próximo lance de perigo veio aos 36 minutos, quando a zaga celeste cortou a bola de forma errada e Kanu aproveitou o rebote. O zagueiro do Vitória chutou rasteiro com força, e a bola passou rente à trave pela esquerda. Aos 42, em arrancada de Marinho, Fábio interveio com boa defesa. O atacante ainda teve a chance do rebote, mas perdeu cabeceando para fora. O primeiro tempo terminou com 45 minutos cravados.

O segundo tempo trouxe uma grande melhoria técnica na partida. As duas equipes procuraram muito o gol, e o placar só não foi maior devido à grande atuação dos goleiros Fábio e Caíque. Logo no primeiro minuto, Arrascaeta fez outro grande lançamento, que colocou Ábila na cara do gol. O atacante não perdoou, finalizou rasteiro e ampliou para os donos da casa.

cruvit2
Gol do atacante Ábila (Foto: Maurício Paullucci/Globo Esporte)

Aos 11 minutos, Lucas encontrou Rafael Sóbis, que finalizou com muita força à esquerda do gol. O Vitória, então, avançou pelo campo o máximo possível para procurar marcar os gols que precisava. Marinho tentou infiltração na área e o volante Henrique chegou atrasado, se chocando com força contra o atacante. O juiz marcou o pênalti e o jogo ficou paralisado por cerca de três minutos, já que Marinho caiu desacordado no campo após a falta. O capitão Diego Renan foi para a marca do pênalti e finalizou no canto esquerdo, mas o goleiro Fábio pulou e fez grande defesa. O rebote caiu na esquerda da grande área, mas um chute totalmente equivocado de Ramalho, debaixo do gol, isolou  a bola.

O lance seguinte,  aos 25 minutos, trouxe o primeiro gol baiano. Vander fez lançamento preciso para deixar Marinho na cara do gol. O atacante, desta vez, acertou o chute e finalizou cruzado no canto esquerdo de Fábio. O lance na sequência trouxe muito perigo para o Cruzeiro. Diego Renan fez bom lançamento e Ramalho finalizou com força, mas foi atrapalhado pelo próprio companheiro de time que esbarrou na bola e mudou a trajetória da bola, que era certa em direção às redes. O Vitória, com estes três lances claros de gol, poderia ter virado o jogo, mas não aproveitou as oportunidades e o placar permaneceu desta forma até o fim. O técnico Paulo Bento foi expulso do jogo após discutir com o quarto árbitro.

Aos 38 minutos, Diego Renan teve outra chance. Ele chutou com qualidade no ângulo e obrigou Fábio a fazer outra grande defesa. O último bom lance da partida saiu dos pés de Arrascaeta, de novo. O uruguaio lançou Ábila na cara do gol, que chutou com muita força e acertou o ângulo da trave esquerda. Rafinha correu para o rebote, chutou com força e carimbou a trave de novo. O Cruzeiro, por muito pouco, não ampliou o placar.

Classificado para as oitavas, a Raposa agora espera o sorteio dos jogos para as fases decisivas da competição. Apesar da boa atuação de hoje, o clube celeste sabe que precisa melhorar muito seu desempenho no nacional e sair da zona de rebaixamento. O Vitória, em situação um pouco mais favorável no Brasileiro, volta para a Bahia e enfrentará o Santos no estádio do Barradão.

CRUZEIRO 2 X 1 VITÓRIA

Data: 20/07/2016 (quarta-feira)
Local: Mineirão, em Belo Horizonte-MG
Público:10.775 pagantes
Renda: R$ 244.034,00
Gols: Bruno Ramires(22′ 1°); Ramón Ábila,(1′ 2°) e Marinho (26′ 2°)

Cartões amarelos: Rafael Sóbis, Ramón Ábila e Bruno Ramires (Cruzeiro); Kanu (Vitória)
Cruzeiro: Fábio; Lucas, Léo, Bruno Viana e Edimar; Henrique, Ariel Cabral (Federico Gino), Bruno Ramires (Bruno Rodrigo) e Arrascaeta; Rafael Sóbis (Rafinha) e Ramón Ábila. Técnico: Paulo Bento
Vitória: Caíque; Diego Renan, Kanu, Victor Ramos e Euller; Marcelo (Tiago Real), Willian Farias (José Welison) e Vander; Dagoberto (Ramallo), Marinho e Kieza. Técnico: Vagner Mancini

Texto: Lucas Poeiras (@pueira)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*