Dinei, o Talismã da Fiel: Onde está o craque?

Atualmente, Dinei em parceria com Gilmar Fubá, fazem parte de um projeto do Corinthians

Claudinei Alexandre Pires, o Dinei, nasceu em 10 de setembro de 1970. Foi atacante do Corinthians de 1990 a 1992 e de 1998 a 2000, chegou a ser candidato a vereador e deputado estadual, é o  ‘rei da resenha’ com histórias dentro e fora de campo. Sócio número 11300 da Gaviões da Fiel, sempre declarou seu amor ao Timão. É lembrado pela torcida por seu amor a camisa, sua ‘estrela’ e ‘faro de gols’ nos momentos decisivos. “Um dia fomos fazer um treino contra os reservas do profissional e o Neto estava vendo. Eu arrebentei e ele me chamou: ‘Estamos precisando de um cara como você. Vou falar para o Nelsinho e em dois dias você estará no profissional’. Eu pensei como assim? Daí em dois dias me subiram e comecei a chorar. O Nelsinho falou assim: ‘Se eu te colocar no jogo contra o Santos, você vai tremer?’ Eu respondi: ‘Claro que não, pode me colocar’, contou em entrevista ao canal da ESPN.

Foto - Site Corinthians
(Foto: Reprodução/Agência Corinthians)

No dia 04 de novembro de 1990, dia de clássico contra o Santos, no Pacaembu, escalado em seu segundo jogo como titular pelo Timão, Dinei não sentiu a pressão do jogo e, aos 26 minutos do primeiro tempo, marcou o único gol do jogo que embalou o Corinthians para o título inédito daquele ano.

Na reta final do Campeonato Brasileiro de 98, mesmo contundido, entrou no decorrer das partidas e foi fundamental ao contribuir com assistências e gols nos três jogos da final contra o Cruzeiro. Em 99, foi campeão paulista sobre o Palmeiras e, mais uma vez, campeão brasileiro, dessa vez sobre o Atlético-MG. Em 2000, foi campeão mundial de clubes da FIFA. Os problemas no joelho voltaram a atormentar o jogador, que deixou o Corinthians no final daquele ano. Mesmo reserva, era ovacionado pela torcida e foi um dos líderes do time nas conquistas que participou.

O futebol proporcionou a Dinei muitas histórias boas e ruins. Em 92, foi negociado ao Grasshoppers, da Suíça e não se adaptou. No ano seguinte, voltou ao futebol brasileiro e passou pela Portuguesa. Ainda defendeu o Internacional, Guarani, Inter de Limeira, Cruzeiro e quando defendia o Coritiba, foi acusado de doping por uso de cocaína. Arrependido, admitiu ter usado droga e foi suspenso por seis meses. Cheio de boas histórias, Dinei coleciona memórias engraçadas desde os tempos da base no Corinthians: “Uma vez quase fui mandado embora por causa de uma viagem de ônibus com a Gaviões da Fiel. Fomos ver um jogo em Salvador contra o Bahia, fui bebendo daqui até lá e mal tinha 17 anos. Eu tinha acabado de operar meu joelho e faltei três dias na fisioterapia. O técnico era o Zé Maria, ex-lutador de boxe, que queria me mandar embora. Minha sorte é que o Joaquim Grava, ex-médico do Corinthians, não me deixou sair”.

Já consagrado e adorado pela torcida alvinegra, bebia com os companheiros de quarto, mandando MIM ACHER para o treinador e DETETIVÃO Luxa: “Levávamos uísque para o quarto. É! Agora posso falar isso. O Vanderlei tinha o hábito de entrar nos quartos às 23h para ver se os jogadores estavam dormindo. Certa vez ele entrou no nosso e falou: ‘Mas esse quarto está fedendo a cerveja, uísque’. Aí ele falou para o Rincón: ‘Cadê o negão Dinei?’. Eu estava dentro do banheiro e respondi: ‘Professor, tô com diarreia’. [risos]. É engraçado que do Rincón ninguém desconfiava. Agora eu, Vampeta, Edílson, Luizão… a gente não tinha jeito”, comentou. “Nosso time era muito bom em 99… de vez em quando a gente tomava uns ‘goró’ no quarto. Não no dia do jogo, mas um dia antes. A gente ficava jogando baralho e ficava bebendo no quarto”, disse em entrevista a ESPN.

Realizou seu maior sonho, que era seguir os passos de seu pai, Ney, que foi craque do Corinthians na década de 60. Atualmente, Dinei em parceria com Gilmar Fubá, fazem parte de um projeto do Corinthians: A série ‘Resenha’ que vai ao ar todas as quintas-feiras no canal oficial do clube no YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=ISZ2yeUDeLQ

 

Texto: Josefh Flore
Fonte: Site ESPN

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*