Futebol moderno: até quando você vai resistir?

Nós queremos defender o nosso futebol e deixá-lo livre do dinheiro

Torcida do Flamengo protesta contra o preço dos ingressos. Foto: Cris Dissat / Fim de Jogo

Por: Thiago Petrocchi, MG

Essa década foi marcada por uma virada no futebol brasileiro. Apaixonados pelo esporte bretão, os torcedores que têm mais de 25 anos viveram a época em que ir ao estádio era uma diversão mais simples, sem requinte, misturados ao povo. Temos bons exemplos do marketing esportivo. No entanto, transformaram nossa paixão em produto. E pasteurizaram o comportamento do torcedor nas arenas.

Hoje, você simplesmente não vai mais ao estádio. Vai à Arena. Você toma uma cerveja – que pode ser artesanal – em área restrita. O lanche da arquibancada mudou. Não é mais aquele rango pesado. Agora é um cachorro quente de borracha ou uma comida pré-cozida. Aliás, essa arquibancada deu lugar às cadeiras. Nada de cimento. O cimento que aguentou nossos pulos e cantos populares está cada vez mais escasso.

O torcedor foi, de fato, transformado em consumidor. A exigência pelo bom resultado é um reflexo do aumento do preço do ingresso. Pagou caro? Quer ver a vitória. O cliente quer conforto.

Não somos homens da caverna. A evolução é um processo diário. Pensar que o futebol virou mera fonte de renda é o erro. Os clubes europeus mudaram o comportamento do torcedor. Arenas em que os presentes se tornaram espectadores e passam os jogos sentados admirando o espetáculo são comuns. Muito embora os clubes mais populares reservem uma área importante para que os torcedores preservem antigos hábitos (casos de Liverpool, Borussia Dortmund, entre outros). É isso o que queremos. O futebol pode evoluir. O clube pode vender mais produtos. Mas por favor, deixem nossa vontade de torcer presente. Deixem nosso costume de tomar uma cerveja barata, pular na arquibancada e fazer a festa pelo nosso time em paz. Deixem que o futebol ainda pulse em nossas veias, sem ver a cor do dinheiro. O sentimento não se compra.

É assim. Ou vamos seguir um futebol competitivo dentro dos balanços financeiros, e o torcedor reclamando do futebol do seu time via sac…

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*