Gênios da bola: jogadores do interior gaúcho

Os jogadores mais icônicos do interior gaúcho que GOSTAMOS!

Badico (Foto: Reprodução/Internet)
Badico (Foto: Reprodução/Internet)

Em poucos Estados brasileiros há tanta identificação do torcedor com clubes do interior como no Rio Grande do Sul. Com vários clubes tradicionais, que costumam jogar de casa cheia, o futebol gaúcho se mantém fortalecido, se torna ainda mais enraizado e forma verdadeiros ídolos, não necessariamente por serem craques, mas por terem se tornado verdadeiros personagens.

Por isso resolvemos trazer esse compilado para vocês, que é um pouco da história do futebol gaúcho interiorano e seus protagonistas: alguns ídolos, outros figuras carimbadas, outros apenas simpáticos, ou ainda jogadores que, de alguma maneira, remetem instantaneamente ao futebol riograndense.

Celeiro de craques e figuras históricas, que somam bola (ou não) ao carisma, polêmicas, provocações ou fatos curiosos, o interior gaúcho é um verdadeiro SUCO DE CL!

Claudio Milar

(Foto: Reprodução/Internet)
(Foto: Reprodução/Internet)

O uruguaio de Chuy se aventurou no futebol gaúcho a partir do Juventude em 1997 até chegar ao Xavante em 2003, onde se tornou ídolo e o maior artilheiro da história do clube, com os expressivos 110 gols. Curioso é que em sua primeira passagem pelo Brasil, Milar precisou deixar o clube antes de duas partidas decisivas pela Série B por causa de um compromisso contratual e foi visto como mercenário pela torcida. Dois anos depois o uruguaio quis voltar mas contava com a antipatia da torcida xavante. Então, André Guerreiro, dirigente xavante, insistiu e confiou na vontade de Milar, que retornou para entrar na história. História essa que poderia ter mais capítulos felizes mas foi interrompida na noite de 15 de janeiro de 2009 num acidente de ônibus que carregava a equipe xavante. O rosto de Milar hoje estampas bandeiras rubronegras no Bento Freitas e seu nome milhares de camisas xavante, Claudio Milar será eterno em Pelotas.

Laurinho Guerreiro

(Foto: Daniela Xu/Agência RBS)

O nome já é de respeito, mas ser um dos maiores ídolos da história do Juventude pede ainda mais. Laurinho disputou o total de 571 jogos pelo Ju, e sempre marcado pela dedicação e raça deixada em campo. Entre alegrias (Copa do Brasil 1999) e tristezas (rebaixamento à Série C em 2009), foram 20 anos de clube, coisa rara no futebol moderno.

Max Ravazza

Matador nos anos 50 e 60, Max Ravazza é o maior artilheiro da história do Guarany de Bagé. À época, excursões pelo exterior eram extremente valorizadas e, numa dessas, Max Ravazza foi o grande artilheiro. O Cruzeiro de Porto Alegre teve que fazer uma verdadeira ENGENHARIA para conseguir o empréstimo de Ravazza junto ao Guarany, que fez diversas exigências. Max Ravazza fez valer o investimento e brocou jogando contra as seleções de Guatemala, El Salvador, Costa Rica, Colômbia e Peru.

Dauri

Velho conhecido do torcedor gaúcho, o meia Dauri coleciona passagens pelo futebol do Rio Grande. Destacou-se pelo 15 de Novembro de Campo Bom, Juventude e Pelotas, no interior. Dauri passa a impressão de que SEMPRE jogou no Sul, do início ao fim da carreira.

José Luiz Plein

Ex meia-atacante e atualmente treinador. Dentre os quatorze clubes que jogou/treinou, apenas DOIS não são gaúchos. GOSTAMOS.

Badico

(Foto: Reprodução/Internet)
(Foto: Reprodução/Internet)

Hoje seria Rinaldo Costa, mas como atuou nas maravilhosas décadas de 80/90, ficou BADICO, o futebol agradece. Coleciona DEZENOVE passagens pelo futebol gaúcho, apenas uma pela capital. Badico se tornou um folclórico jogador do interior gaúcho e lembrado com carinho por várias torcidas.

Tarica

(Foto: http://jogadores-colorados.blogspot.com.br/)

Mais um que atualmente seria atingido pela síndrome dos nomes compostos, hoje seria Luiz Abelin ou Luiz Fernando, que nunca seriam tão marcantes quanto a simpática alcunha TARICA. Maior artilheiro da história do Inter de Santa Maria (117 gols em 160 jogos), e com passagens por vários clubes gaúcho. Faleceu em 2011 aos 80 anos em decorrência de um AVC.

Marcelo Labarthe

labarthe

Me assustei com a informação de que Marcelo Labarthe tem apenas 32 anos. É daqueles que sempre que você ouve falar ou pesquisa o nome, está em alguma equipe do interior gaúcho, e que você apostaria que está beirando os 40 anos. Comprei várias vezes nos CM e FMs da vida, boa aquisição quando você começava com baixo ou nenhum orçamento. Mais uma figurinha carimbada no futebol gaúcho.

Mabília

(Foto: clicrbs)
(Foto: clicrbs)

Quem não tem a impressão de que toda vez que o seu time jogou contra o Juventude no Alfredo Jaconi o Mabília estava em campo?!

Michel Alves

michel

Michel Alves saiu do Sul há 6 anos, nem parece, VOLTA! 10 anos somando Xavante, Juventude e Inter.

Paulo de Souza Lobo (Galego)

(Foto: reliquiasdofutebol.blogspot.com.br)

Como jogador atuou pelo Brasil de Pelotas e ainda Cruzeiro de Porto Alegre, mas uma lesão o fez pendurar as chuteiras aos 26 anos para se tornar treinador. Considerado um dos maiores treineiros da história do futebol riograndense, Galego trabalhou em apenas duas cidades, Pelotas e Bagé, onde é ídolo incontestável. Dizem que Galego se rejeitou a trabalhar nos clubes da capital pois não aceitariam o seu polêmico “jeito” de trabalhar. Reza a lenda que Galego nunca assinou um contrato de treinador, pois acreditava que a palavra do homem valia mais do que papel. Deixou saudades ao falecer em 1996 aos 70 anos de idade.

Márcio Mixirica

mixirica

Ok, apenas uma passagem pelo futebol gaúcho. Mas de forma histórica! Mixirica (que na verdade deveria ser BERGAMOTA) foi um dos heróis da épica conquista do Juventude na Copa do Brasil em 1999, marcando na decisão e ainda sacramentando a classificação heroica do Juventude pra cima do Corinthians em pleno Pacaembu.

Regis Gouveia

regis

Zagueiro-zagueiro, nunca faltou raça e dedicação ao eterno ídolo da torcida rubronegra, também vítima do acidente de 2009. Régis havia atuado ainda por São Luiz, Inter de Lages, São Gabriel e Ulbra.

Camazzola

(Foto: Arthur Dallegrave / EC Juventude / Divulgação)
(Foto: Arthur Dallegrave / EC Juventude / Divulgação)

Mais um que impressiona pela idade, dava a impressão que beirava aos 40, até eu pesquisar e constatar os 33. Camazzola é cria do Juventude, por onde tem três passagens. Além do Brasil de Farroupilha e o Esportivo de Bento Gonçalves, Camazzola passou ainda pelas incomuns ligas da Escócia, Noruega e Bulgária. Obviamente, se juntar todas elas não dá a disputa de um Gauchão!

Paulo Turra

turra

Sete anos de Caxias e campeão do Gauchão de 2000, desde que se tornou treinador, Paulo Turra treinou 5 clubes do interior gaúcho.

 

Alê Menezes

Alê Menezes (Foto: todacancha.com)
Alê Menezes (Foto: todacancha.com)

Típico centroavantão que gostamos, Alê é mais um artilheiro do interior, com passagem por QUATORZE clubes gaúchos. Atualmente é o centroavante do simpático Inter de Lages (SC), aos 39 anos

Adão

adao

Outro centroavante rodado pelo interior gaúcho, foram 16 clubes no Estado até 2013, quando aposentou-se. Campeão Gaúcho pelo Caxias em 2000 e da Divisão de Acesso do Gaúchão em 2009 pelo Porto Alegre.

Este post foi patrocinado pela Fruki Guaraná

11 Comentários em Gênios da bola: jogadores do interior gaúcho

  1. faltou Dinei atacante que andou por quase todos os times do interior gaucho, iniciando no Veranópolis do técnico Tite.
    foi o carasco do grêmio marcando três gols em uma partida.

  2. Faltou o Luis Henrique (zagueiro) jogou no Novo Hamburgo/RS .Tem uma historia que ele mesmo contou em uma confraria ,eles estavam concetrados para uma partida (concentração regada a Danone) e ele aposto um fardo de danone (473 ml) que daria um carrinho moralizador na camareira ,dito e feito foram no corredor e Luis Henrique deu o carrinho e ganhou o fardo de danone .Esse mesmo ainda foi agredido por um jogar do inter no gauchão de 2014 se não me engano ,recebeu um peitaço nas trava de sua chuteira .

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*