Gordon Banks ganhou títulos e parou um Rei

O MAIOR ARQUEIRO DA HISTÓRIA DA INGLATERRA

Gordon Banks um dos maiores jogadores da história

Por Samir Leão – TO

Para os ingleses, um dos melhores goleiros da história do país. Para os brasileiros, um dos poucos homens a parar Pelé. Para o futebol mundial, um monstro. Gordon Banks, campeão mundial pela Inglaterra em 1966, faleceu aos 81 anos nesta terça-feira. Em uma das batalhas mais duras que o arqueiro enfrentou, ele lutava contra um câncer renal desde 2015. Mesmo com o título da Copa do Mundo no currículo, foi através de uma das suas defesas que o nome do ex-goleiro ficou eternizado na história.

Nascido em 30 de dezembro de 1937, no vilarejo Abbeydale, em Sheffield, Banks era o filho mais novo de quatro irmãos. O pai trabalhava uma fábrica de aço e a família vivia com dificuldades financeiras. Aos 15 anos, após abandonar a escola, Gordon foi assistir a um jogo do time amador Millspaugh Steelworks FC. Por obra dos Deuses que regem o futebol, o goleiro da equipe não compareceu, e ele foi convidado pelo treinador a defender o time naquela ocasião. Esse foi o primeiro grande contato do arqueiro com uma partida que ia além dos jogos escolares que já tinha disputado.

O goleiro brilhou, passou uma temporada inteira no clube e as boas atuações renderam um convite para disputar a Yorkshire League pelo Rawmarsh Welfare. Porém, o futebol não seria apaixonante se fosse previsível. A estreia de Banks foi um fiasco. Nas duas primeiras partidas ele sofreu 15 gols. A queda foi inevitável e ele foi dispensado. Voltou ao seu reduto, o Millspaugh. Ali poderia jogar o resto de sua vida, mas Banks tinha potencial para mais. Em março de 1953, através de um olheiro, foi para na equipe juvenil do Chesterfield. Naquele ano o time principal disputava a terceira divisão da Football League.

Antes de assinar o seu primeiro contrato profissional, Gordon Banks teve que prestar serviço militar ao seus país. Passou dois anos na Alemanha e quando retornou assinara, já como titular, com o time profissional do Chesterfield. Destaque daquele time, em junho de 1959, o goleiro recebeu a proposta do Leicester, time da Primeira Divisão inglesa. Aos 21 anos era hora de alçar voos mais altos. Por sete temporadas defendeu os Foxes, fez parte de um dos períodos que o time mais brilhou na Inglaterra.

Por sete temporadas Gordon Banks defendeu o Leicester (Fonte: Leicester Mercury)

Enquanto defendia à meta do Leicester, Gordon chegou a quatro decisões. Por duas vezes perdeu a final da FA Cup(1961 e 1963). As outras duas foram na Copa da Liga Inglesa. Após vencer em 1964, foi derrotado no ano seguinte na final contra o Chelsea. Esse foi o único título que o goleiro levantou pelo o time.

Além de ser um verdadeiro comandante sob as traves, o goleiro era ágil, tinha bom posicionamento e sempre que preciso passava a tranquilidade necessária para todo sistema defensivo. Dos diversos relatos sobre o arqueiro, um especial chama atenção. Em 1963, numa partida contra o Liverpool, pelas semifinais da Copa da Inglaterra, Banks realizou mais de trinta defesas na partida, disparado o melhor em campo, o seu time venceu por 1×0 e foi à decisão.

Apesar da equipe perder a final daquele torneio para o Manchester United, a história da Gordon Banks na seleção começa naquele ano. Após a primeira convocação, assumiu a titularidade. Em 1966, ano do único título mundial dos ingleses, ele sofrera apenas três gols durante toda Copa do Mundo, que foi disputada na própria Inglaterra. Dois deles apenas na final contra a Alemanha Ocidental. Líder do English Team e com apresentação impecável, foi eleito o melhor goleiro da competição.

 A defesa do século

Após a o Mundial, em 1967, Gordon deixou o Leicester e foi para o Stoky City, por lá jogou seis temporadas e conquistou, em 1972, a Copa da Liga Inglesa. Sem cair de rendimento e com atuações constates, é convocado para seu segundo Mundial. E é aqui que dois gigantes se encontram. Mesmo com diversas finais na carreira e um título da Copa do Mundo como protagonista, a história de Gordon Banks entra para a galeria dos grandes nomes do futebol graças a uma defesa. Não qualquer defesa, mas a “defesa do século”.

É em 7 de julho de 1970, em Guadalajara, na Copa do Mundo do México, que Gordon Banks e Pelé se encontram. Brasil e Inglaterra estão no mesmo grupo e se enfrentam pela segunda rodada. Os ingleses atuais campeões, os brasileiros tinham o esquadrão. Duas grandes seleções. Ainda no primeiro tempo Jairzinho cruza uma bola impecável, Pelé está no bico da pequena área e como recomenda o manual sobe mais que o zagueiro e cabeceia para o chão. Um lance rápido. O rei levante os braços e já comemora. Impossível o goleiro defender essa bola. Mas não era qualquer goleiro. Era Banks.

Banks parou Pelé no que foi chamada de “defesa do século”. (Fonte: Allsport Hulton/Archive/Getty Images)

Apenas seis décimos de segundo era o tempo que a bola chegaria ao gol. Para completar a dificuldade do lance, o toque no chão deu a Banks apenas dois décimos de segundo para reagir. O goleiro não poderia esperar. Então quando Gordon percebe o movimento do atacante brasileiro e já se projeta para fazer a defesa. Ou seja, ele antecipa o movimento e surpreende o rei. Espetacular. O estádio demora alguns segundos até aplaudir o lance. Foi mais que um gol, certamente a defesa mais difícil de todas as copas.

Apesar de uma carreira brilhante, Banks sempre defendeu que seria lembrado por essa defesa. Além da dificuldade, foi uma jogada de um grande time e que tinha os melhores jogadores. O Brasil levou o tricampeonato, mas Gordon não levou aquele gol. Após sofrer um acidente em 1973, que comprometeu sua visão, ele ficou afastado dos gramados. Voltou em 1977, quando jogou nos Estados Unidos e no ano seguinte encerrou definitivamente a carreira.

Ao todo, defendeu o English Team em 73 partidas, em 35 delas não sofreu gol. Entrou em campo 755 vezes por seus clubes. Foi eleito pela Fifa “Goleiro do ano” por seis anos consecutivos, entre 1966 e 1971.

Fontes: ESPN, Globoesporte.com, Premier League Brasil, Uol

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*