Juan Sebastián Verón, o filho de La Plata

Será o adeus da lenda?

[Foto: Fernando Gens/Télam]
Por Alan Silva, RJ

No final da década de 60, o Estudiantes de La Plata comandou o futebol sul-americano com o tricampeonato seguido da Libertadores. Naquele elenco, existia um meia-atacante que além de ter ajudado o time a alcançar a conquista da Copa Intercontinental, como era conhecido o Mundial de Clubes, deu um enorme presente a cidade de La Plata. Juan Ramón Verón é o pai de “La Brujita” Verón, um dos ícones da história do futebol argentino.

Nascido em março de 1974, Juan Sebastian Verón iniciou carreira seguindo os passos de seu pai, defendendo o clube de sua cidade. Em 1992, começou a mostrar o seu talento, desfilando passes preciosos e uma personalidade típica dos argentinos. Naquele momento, o Estudiantes ainda disputava as divisões de acesso do campeonato nacional, e contou com a técnica de seu filho para retornar às glórias do passado. “La Brujita” colocou o Estudiantes na 1°divisão do argentino, e diante de tamanho destaque, se transferiu para o tradicional clube de Buenos Aires, o Boca Juniors.

Ao ser negociado, teve a oportunidade de dividir terreno com Diego Maradona, o maior jogador argentino de todos os tempos. O bom futebol mostrado por Verón fez com que tivesse as primeiras oportunidades na seleção de seu país. Naquele instante, começava a trilhar o seu caminho no futebol mundial. Após bom período jogando em La Bombonera, foi transferido para a Itália, onde teve destaque na Sampdoria que contava, na época, com Clarence Seedorf. Em 1998, chegou ao Parma e conquistou seu primeiro título continental, a tradicional Copa Uefa – atual Liga Europa -, tendo participação fundamental na campanha do time da Parmalat. Também, em 1998, chegou a conquistar a Copa da Itália. Com os títulos, o futebol de Verón encantou a Lazio que investiu pesado em sua contratação, e o filho de “La Bruja” não decepcionou os torcedores da azul e branco italiana.

"La Brujia" ao lado de Zidane no confronto entre Lazio e Juventus. [Reprodução: Pinteres]
“La Brujia” ao lado de Zidane no confronto entre Lazio e Juventus. [Reprodução: Pinteres]
Com a companhia de inúmeros craques, “La Brujita” ajudou a Lazio a conquistar o campeonato italiano e a Copa da Itália, a segunda de sua carreira. O período glorioso do clube se encerrou com a conquista da Supercopa italiana. Logo após essa conquista, Verón se transferiu para o futebol inglês, onde não obteve muito destaque como em temporadas anteriores. Na terra da Rainha, jogou por Manchester United e Chelsea, e teve uma lesão no joelho que carregou durante toda a sua carreira. Ele usa uma faixa protetora no local até hoje.

Período como coadjuvante o fez retornar para a Itália. [Divulgação: Daily Express]
Período como coadjuvante o fez retornar para a Itália. [Divulgação: Daily Express]
Após um período como coadjuvante na Inglaterra, retornou aos gramados italianos. Dessa vez, defenderia a Internazionale. Em um período de títulos dos “nerazzurri”, Verón teve um momento histórico em sua carreira, quando marcou o gol do título da Supercopa de 2005 nos acréscimos do segundo tempo em uma final épica contra a Juventus de Turim. Após tanto sucesso adquirido no país da bota, tomou a decisão de retornar ao futebol argentino para defender o clube de sua cidade, o Estudiantes de La Plata.  Com o pensamento de seguir o caminho do pai e conquistar a América pelo clube que o colocou no cenário futebolístico, “La Brujita”marcou história ao levar o Estudiantes ao título da Libertadores de 2009, calando o Mineirão recheado de cruzeirenses, repetindo a façanha de seu pai.

Verón repetindo a façanha de seu pai. [Reprodução: Globo Esporte]
Verón repetindo a façanha de seu pai. [Reprodução: Globo Esporte]
Hoje, atual presidente do Estudiantes, aceitou o desafio de retornar aos gramados para tentar a conquista da Libertadores mais uma vez. Infelizmente ficou pelo caminho no grupo com Botafogo, Atlético Nacional-COL e Barcelona-EQU. Eliminado, provavelmente  voltará a exercer apenas o cargo administrativo do clube pelo qual sempre torceu e honrou a camisa pelos mais variados estádios sul-americanos. “La Brujita” pode dizer que  rodou o mundo e alcançou o sucesso. Mas a sua história será eternamente escrita nas cores vermelho e branco de La Plata.

Fontes: Quattro Tratti e Jornal I.

1 Trackbacks & Pingbacks

  1. A segunda fase da Copa Sul-Americana - Cenas Lamentáveis

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*