Lei de Guardiola: a força estatística da 8ª rodada

Os números da oitava rodada são determinantes para o seguimento da competição

Guardiola: Um vitorioso na história recente (foto: ESPN/Reprodulção)
Por: Lucas Poeiras – MG

O livro “Guardiola Confidencial”, do escritor Martin Perarnau, trouxe uma declaração do badalado técnico catalão sobre os pontos corridos. Ele menciona que a oitava rodada no campeonato de pontos corridos é crucial para determinar quem serão os favoritos ao título. O raciocínio é simples: os times que acumulam mais pontos nos oito primeiros lugares ganham força nos números para seguirem em direção a vitória. Os que não estão nestas posições, dificilmente terão força para tirar os primeiros colocados do pódio.

Guardiola é enfático sobre este momento do campeonato: “O título se ganha nas oito últimas rodadas e se perde nas oito primeiras”

Na última segunda-feira, dia 19 de junho, após o jogo entre Grêmio e Cruzeiro, foi concluída a oitava rodada do Brasileirão. Agora é a hora de aplicar a Lei de Guardiola para sabermos os favoritos ao título nacional de 2017. Através desta perspectiva iremos nos aprofundar em uma análise dos números e fatos até então.

O livro (Foto: Loja Saraiva/ Reprodução)
O livro (Foto: Loja Saraiva/ Reprodução)

De 2006 a 2017 há relação entre a oitava rodada e o campeão? 

O campeonato nacional se modernizou e adotou o estilo de pontos corridos a partir de 2003. Para equilibrar a tabela, foi adotado o formato com 20 clubes a partir de 2006 no mesmo modelo que o britânico. Esta forma de disputa, considerada a ideal em muitos países que tem o futebol relevante, foi a marca da mudança do nosso futebol.  Como ficaria a tabela da Lei Guardiola então?

De 2006 para 2017 a relação entre campeão e a oitava rodada
Os campeões e vices de 2006 a 2016. Em amarelo os únicos que não estavam entre os 8 primeiros na 8ª rodada (Fonte de dados: Futpédia)

Em 10 anos de campeonato disputado por vinte times é notório que nenhum campeão estava baixo da 7ª colocação na 8ª rodada. Metade deles estava entre os três primeiros e dois lideravam no momento. Há relação direta entre o resultado final da competição com a oitava rodada. A média de pontos para ser campeão é de 75 pontos e para ser vice 68 pontos.

Entre os vice colocados, tiveram duas exceções. Um erro dentro desta análise de estatística. O Santos de 2007 conseguiu uma virada histórica para a competição de pontos corridos, saindo da 17ª colocação em direção ao segundo lugar do pódio daquele ano. O Vasco de 2011 teve um desempenho semelhante, mas saiu da 11ª posição para garantir seu vice a apenas 2 pontos do primeiro colocado. O erro então é de 10% com esta pequena análise.

Os oito primeiros colocados de 2017 

Os oito primeiros de 2017 (foto:Uol Esporte/Reprodução)
Os oito primeiros de 2017 na 8ª rodada (foto: Uol Esporte/Reprodução)

Os primeiros momentos do campeonato trazem Grêmio e Corinthians disputando ponto a ponto a liderança do campeonato. A possibilidade da subida do Tricolor Gaúcho à liderança na noite de segunda, deixa ainda mais interessante esta análise. O Timão, ainda invicto na competição e com um estrondoso aproveitamento de 83%, poderia não ser o líder caso os gaúchos conseguissem impressionantes sete vitórias em oito jogos.

Segundo o pensamento de Guardiola, estes oito times irão competir em alto nível pelas vagas nas competições internacionais. Os dois primeiros colocados, já citados, ganham vantagem nesta disputa, pois somaram a maior quantidade de pontos e estão acima dos 80% de rendimento. A continuidade desta configuração na tabela dependerá de fatores relacionados à gestão do clube também, e não apenas ao rendimento em campo.

Os clubes que desejam se manter no topo precisam gerir bem o calendário para manter os atletas em forma e saudáveis. A equipe que estiver mais qualificada, entrosada e conseguir manter o rendimento entre 70% e 85% será a provável campeã.

A arrancada nas últimas oito rodadas 

Os clubes ambiciosos que desejam o lugar mais alto do pódio precisam de uma grande arrancada nas oito rodadas finais. Eles mostram sua força para a arrancada e conquistam o título quando fazem boa campanha a partir da 30ª rodada. Vamos repetir a lógica da tabela anterior:

As campanhas das últimas 8 rodadas (Dados: Futpédia)
As campanhas das últimas 8 rodadas. Em amarelo o único time campeão que fez menos de 10 pontos no período. (Dados: Futpédia)

Os campeões de cada ano definiram suas campanhas vitoriosas nas oito últimas rodadas. Os times foram derrotados em três rodadas ou menos e pontuaram, em média, 16 tentos até o fim do campeonato. Com exceção do Fluminense em 2012 (que fez grande campanha nas rodadas intermediárias), foram necessárias pelo menos quatro vitórias para assegurar o título. E o melhor desempenho  nas últimas rodadas foi de São Paulo em 2008, Cruzeiro em 2014 e Palmeiras em 2016.

Pela tabela vemos que os times que mantêm seu aproveitamento acima dos 50% conseguiram confirmar o seu favoritismo e caminhar em direção à taça.

Um exemplo emblemático sobre a necessidade de melhor aproveitamento nas rodadas finais é o desempenho do Palmeiras em 2009:

Acima: a classificação na 30ªrodada. Abaixo: a classificação na 38ª rodada (dados:futpédia)
Acima: a classificação na 30ªrodada. Abaixo: a classificação na 38ª rodada (dados:futpédia)

O clube paulista era forte candidato ao título, mas, devido à queda de produção nas rodadas finais, com apenas duas vitórias e uma grande melhoria dos competidores, o alviverde perdeu a vaga na Libertadores. As quatro derrotas e os oito pontos somados foram poucos para manter a liderança, e a grande arrancada do Flamengo consagrou os rubro negros campeões.

Como está seu time, confrade? Segundo a teoria de Guardiola ele tem chances de sagrar-se campeão? Comente logo abaixo! 

Fontes: Google Books, UOL, Futpédia

5 Comentários em Lei de Guardiola: a força estatística da 8ª rodada

  1. No livro o Guardiola realmente diz “As ligas são ganhas nas últimas oito rodadas e perdidas nas oito primeiras”, mas ele não diz nada sobre TIMES QUE ACUMULAM MAIS PONTOS NOS OITO PRIMEIROS LUGARES. Isso aí ficou por conta do autor que olhou pros Brasileiros passados e viu essa “coincidência”.

    A teoria do Guardiola se aplicava muito bem no Campeonato Espanhol, que era a experiência dele na época que o livro foi escrito. Aqui está o que ele falou:

    “É preciso evitar perder a liga nos dois primeiros meses. Seus adversários podem lhe tirar pontos, mas não muitos. A eventual desvantagem deve ser mentalmente aceitável, de dois ou três pontos, quatro no máximo, ao término dessas oito rodadas. Ainda que você esteja atrás, mantém o líder por perto; em um confronto direto poderá alcançá-lo. Assim, terá condições de lutar pelo título nas últimas oito rodadas, demonstrando a verdadeira força da sua equipe no momento de decidir a disputa.”

    Aqui no Brasil há mais alternância nas posições, é comum tirar 4 pontos de vantagem sem precisar de um confronto direto, na Espanha é mais raro. Uma análise para validar a teoria no Campeonato Brasileiro, seria ver se existe uma diferença de pontos limítrofe, tipo “times que chegam na rodada X a até Y pontos do líder, são aqueles que vão brigar pelo título”. Essa é difícil.

  2. A diferença é que aqui no Brasil, existe uma janela de transferência de jogadores no meio do campeonato, depois de fechar, aí teremos os favoritos!

  3. Tem um detalhe aí nessa arrancada dos últimos jogos que não existiu pro Fluminense em 2012. Foram campeões com 3 rodadas de antecedência, fazendo com que nas 3 últimas quando já era campeão perde-se 2 jogos e empatasse 1.
    O que eu quero dizer com isso é que se houvesse um vice-líder na cola, bem provável que o Fluminense fizesse os pontos necessários pra ser campeão mantendo a tese do Pep Guardiola, pois nesses 3 últimos jogos foram 2 em casa e 1 fora contra o Sport.

    Bacana o artigo.

    Um abraço.

    Igor

    • Mais provável mesmo é que o juiz arrumasse umas 2 vitórias pro Flu nesses jogos finais, como fizeram enquanto o segundo estava na cola.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*