“Los Puros Criollos” – O timaço do Cartel de Medellin (Parte 3)

Após duas temporadas, o trabalho ainda não apresentava um resultado consistente, mas o time mostrava um futebol extremamente vistoso e empolgante, o que garantia muita tranquilidade para a sequência de Maturana no cargo. Com um grupo cada vez mais entrosado e priorizando totalmente a competição sul-americana, era chegada a hora dos colombianos mostrarem todo o seu talento para o continente que nunca tinha visto uma conquista do país.
Definidos os grupos para a competição, o Atlético Nacional lutaria por uma das três vagas na fase seguinte com o rival Millionarios, e os equatorianos Deportivo Quito e Emelec. O começo não foi dos melhores, com três empates em 1×1 nos três primeiros jogos fora de casa. O quarto jogo seria um clássico em Medellin contra o Millionarios. Com um Atanasio Girardot completamente lotado, o resultado foi aquém do esperado: derrota por 2×0 para “Los Embajadores”. A situação no grupo estava muito complicada, e o time precisava de duas vitórias contra os times do Equador nos dois jogos restantes. Com duas boas atuações, os Puros Criollos venceram as duas partidas em sequência, garantindo assim a vaga nas Oitavas de Final.

Todos sabemos o quanto é difícil conquistar uma Libertadores da América, mas quando se entra na fase de “mata-mata” é que temos a verdadeira noção do que é a competição. Logo de cara, para testar a evolução e maturidade da equipe, o Nacional teria um confronto muito complicado contra o Racing Club da Argentina. A primeira partida foi disputada em casa, diante da sua torcida. “A Máquina Verde” não decepciou, 2×0 frente aos argentinos. Na partida de volta, em Avellaneda, derrota por 2×1, mas vaga garantida pela soma dos resultados. Enquanto isso, o Millionarios também garantia a sua classificação para a fase seguinte, depois de derrotar o Bolívar no placar agregado. Como o regulamento da Copa não permitia que duas equipes do mesmo país avançassem para as semifinais, o duelo entre os dois rivais era certo para as Quartas de Final.

Por ter feito uma campanha inferior, o primeiro jogo estava marcado para Medellin. O Nacional dessa vez não cometeu os mesmos erros da primeira fase e confirmou sua força em casa, vencendo por 1×0 em um jogo muito nervoso e travado. Mesmo com a derrota, a situação era muito mais tranquila para a equipe de Bogotá, que teria grandes chances de reverter o resultado no jogo da volta. Em mais uma partida tensa, como pede um clássico, o Millionarios saiu na frente no El Campín, e dominava a maioria das ações de ataque. Quando todos esperavam que o time da casa ampliasse o placar, Tréllez fez o gol do empate e da classificação para o “Los Verdolagas”. Finalmente a equipe de Francisco Maturana mostrava o equilíbrio que era necessário para conquistar a América.

Millionarios x Atlético Nacional, o jogo da volta (foto: Reprodução)
Millionarios x Atlético Nacional, o jogo da volta (foto: Reprodução)

As semifinais estavam marcadas para os dias 10 e 17 de maio, e o adversário seria o Danúbio, do Uruguai, time que já havia eliminado o compatriota e tradicionalíssimo Nacional, além dos chilenos do Cobreloa. A primeira partida foi disputada fora de casa, no famoso Estádio Centenário de Montevidéu. Com um empate em 0x0, o time colombiano voltava para a Colômbia com a necessidade de uma vitória simples. Mas foi nesse jogo que aquele futebol leve e de muita velocidade deu um verdadeiro show, vencendo por um incontestável 6×0, com quatro gols de Albeiro Usuriaga. Estava assim carimbado o passaporte para a tão sonhada final. Um detalhe importante sobre essa partida: anos depois, um dos auxiliares do jogo, o argentino Juan Bava, confessou à imprensa que Pablo Escobar tentou utilizar do seu famoso método “plata o plomo” para comprar o trio de arbitragem. Segundo o próprio Bava, para a sorte deles, o time do Nacional estava inspirado naquela noite, senão ele mesmo teria feito um gol…
O Atlético Nacional tinha uma tarefa difícil pela frente: quebrar a sequência de insucessos colombianos em finais de Libertadores, já que, por três anos seguidos, o América de Cali havia perdido a decisão da competição. A primeira partida contra o Olimpia seria disputada no Estádio Defensores del Chaco, no Paraguai. Mas havia um problema para o jogo de volta. O principal estádio de Medellin, Atanasio Girardot, não cumpria as especificações da Conmebol para sediar a decisão do torneio, pois sua capacidade máxima era inferior aos 50 mil determinados pela federação. Tal fato obrigou que a partida fosse disputada em Bogotá, no Estádio Nemésio Camacho, o El Campín. No Paraguai, a equipe alviverde sofreu com a forte marcação do time da casa e foi derrotada por 2×0. Naquele momento, a distância da sua torcida no jogo da volta, somada à desvantagem imposta pelo adversário, trazia uma situação extremamente adversa para o Nacional. Seria necessária uma superação ímpar, algo que esse time ainda não tinha demonstrado em sua história.
No dia 31 de maio de 1989, mais de 50 mil colombianos presenciaram um jogo épico! Cabe destacar que quase 30 mil torcedores se deslocaram de Medellin até a capital do país, numa verdadeira invasão verde que transformou o El Campin em um caldeirão, para uma decisão digna do maior torneio de clubes do MUNDO! Com a vitória por 2×0 no tempo normal, o Atlético Nacional levou a partida para a decisão de pênaltis, e, mais uma vez, brilhou a estrela do goleiro Higuita, que defendeu quatro cobranças. Alías, foi uma decisão onde os goleiros se destacaram, terminando em 5×4 para o Nacional, após dezoito pênaltis cobrados. Era a consagração que Francisco Maturana e seus jogadores tanto precisavam. A Libertadores da América era finalmente conquistada por um time da Colômbia.


Os lances marcantes da épica final entre Atlético Nacional e Olimpia

[Desativando Google tradutor]
¡Nunca dudar de la carrera de un equipo colombiano!
¡ES CAMPEÓN, ES CAMPEÓN!

Texto: Wagner Ponce

Confira os outros textos da série:
Parte 1: http://cenaslamentaveis.com.br/los-puros-criollos-o-timaco-do-cartel-de-medellin-parte-1/
Parte 2: http://cenaslamentaveis.com.br/los-puros-criollos-o-timaco-do-cartel-de-medellin-parte-2/
Parte 4: http://cenaslamentaveis.com.br/los-puros-criollos-o-timaco-do-cartel-de-medellin-parte-4/

2 Comentários em “Los Puros Criollos” – O timaço do Cartel de Medellin (Parte 3)

4 Trackbacks & Pingbacks

  1. “Los Puros Criollos” – O timaço do Cartel de Medellin (Parte 2) – Cenas Lamentáveis
  2. “Los Puros Criollos” – O timaço do Cartel de Medellin (Parte 1) – Cenas Lamentáveis
  3. “Los Puros Criollos” – O timaço do Cartel de Medellin (Parte 2) – Cenas Lamentáveis
  4. “Los Puros Criollos” – O timaço do Cartel de Medellin (Parte 4) – Cenas Lamentáveis

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*