O abandono do Caio Martins

Estádio em Niterói tem história complexa e desconhecida, mas não abriga mais jogos de futebol

[Foto: Site Niterói Urgente]
Por Alan Silva, RJ

Fundado em 1941, o estádio Caio Martins já foi palco de inúmeros jogos e sentimentos. Desde a alegria de grandes vitórias do Botafogo a momentos de tensão decorrentes da ditadura. Entretanto, acabou virando uma espécie de galpão abandonado, após descaso das autoridades e o deslocamento dos grandes clubes para outras cidades.

Caio Martins abandonado (Foto: Niterói Urgente)
Caio Martins abandonado (Foto: Niterói Urgente)

A origem do nome do estádio niteroiense vem do escoteiro Caio Viana Martins, importante figura na tragédia do trem de Barbacena, na qual ajudou bombeiros a encontrar feridos e teve participação no socorro das vítimas. Entretanto, após todo esse esforço, Caio não conseguiu sobreviver aos ferimentos. No inicio dos anos 2000, a Câmara dos Vereadores de Niterói decidiu trocar o nome para “Estádio Mestre Ziza”, homenageando o ex- jogador Zizinho, fato que desagradou aos torcedores pelo atleta ter jogado por longo período no Flamengo. Por isto, jornalistas e torcedores continuam chamando pelo antigo nome.

O jogo inaugural do “Mestre Ziza”, como foi chamado por longo tempo, foi entre o Canto do Rio, clube local, e o Vasco da Gama em 20 de Julho de 1941. A derrota do time niteroiense teve pouca importância. O que mais interessava é que Niterói receberia jogos oficiais, fato interessante para a antiga capital fluminense, governada na época por Ernani do Amaral Peixoto. Após longo tempo, os torcedores da cidade poderiam ver não só o time residente como os grandes clubes.

A festa das torcidas e os jogos memoráveis realizados em Niterói contrastam com um período negro da história do estádio. Em 1964, o Complexo Esportivo virou local de prisão política, fato que faz com que alguns moradores e antigos exilados não consigam nem passar pelas redondezas do campo. A cidade, naquele momento, estava em apuros e o rosto das pessoas vivenciando aquilo demonstrava o medo de tragédias piores. A cassação de Badger da Silva, antigo governador, significou um ato de calmaria para os presos. Em seu lugar, entrou Cordolino José Ambrosio, o então presidente da Aseembléia Legislativa. A partir dessa troca de comando, os presos tiveram momentos de felicidade ao reencontrarem suas famílias e se atualizarem de tudo que se passava no Brasil. Um alívio sem fim para quem sofreu todas essas torturas num palco em que não poderia existir esses episódios.

Protesto em Caio Martins, em maio de 2012 (Foto: Niterói pela Memória, Verdade e Justiça)
Protesto no Caio Martins, em maio de 2012 (Foto: Niterói pela Memória, Verdade e Justiça)

O auge do Caio Martins foi em 2003, quando realizaram diversas reformas, como o aumento da capacidade do estádio e a reformulação de arquibancadas e camarotes. Com tais mudanças, o Botafogo passou a sediar seus jogos de forma mais constante em Niterói. Com o apoio da torcida que lotava as imediações em dias de jogo, conseguiu o acesso para a divisão principal do Campeonato Brasileiro.

Porém, o Caio Martins não recebe um jogo profissional desde 2004, quando o clube carioca perdeu para o Corinthians pelo placar de 2 a 1. Atualmente, após uma concessão feita pelo Estado para o Glorioso, o complexo esportivo está nas mãos do tradicional clube carioca até o ano de 2023. O clube até teve a ideia de voltar a utilizá-lo para jogos deste ano, entretanto com a volta do Nilton Santos, antigo Engenhão, acabou murchando o interesse do clube.

Jogadores do Botafogo comemoram o acesso no Caio Martins. [Foto: Site O Globo]
Jogadores do Botafogo comemoram o acesso no Caio Martins. (Foto: Site O Globo)
Atualmente, o Complexo Esportivo Caio Martins é utilizado como local de treinamento e de disputas de campeonatos pelas categorias de base. Além disso, pelo fato de abrigar outros esportes, como a Natação e o Basquete, virou um espaço de lazer para os moradores da cidade e amantes do esporte. Entretanto, o vazio deixado pela falta de jogos perturba quem ama o futebol.

As equipes de São Gonçalo que estão em crescimento, chegaram a vislumbrar a chance de atuar no estádio, mas foram bloqueadas pela concessão dada ao Botafogo. Resta agora esperarmos que o Caio Martins volte a brilhar e abrigar grandes episódios do futebol brasileiro.

Torcida alvinegra assistindo jogo do Sub-20. (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)
Torcida alvinegra assistindo jogo do Sub-20. (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)
Fontes: TrivelaO São Gonçalo,

5 Comentários em O abandono do Caio Martins

  1. Tenho que deixar registrado que o Botafogo tentou voltar a mandar jogos lá, mas os Bombeiros só liberariam 6 mil lugares – http://www.lance.com.br/botafogo/mantem-projeto-recuperacao-caio-martins.html -, quantidade insuficiente para mandar jogos do Brasileiro. Me parece que o Caio Martins tem um imbróglio judicial com a associação de moradores de Icaraí, que impede a realização de partidas oficiais da categoria de profissionais (tem que buscar infos de como está essa situação atualmente).

  2. Olá. Apenas uma ressalva. O último jogo profissional do Caio Martins foi de fato em 2004 num Botafogo x Corinthians. Mas o placar foi 2×1 para o time paulista. Sou botafoguense e me lembro bem desse jogo. Um abraço

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*