O adeus de uma lenda

Formiga encerra hoje o seu ciclo de 20 anos na Seleção Brasileira Feminina de Futebol

O adeus ao futebol da nossa craque (Foto: "Agência Reuters"/ Reprodução: globoesporte.com)
Por: Victor Portto, CE

Desde que o futebol feminino no Brasil começou a ser acompanhado pela torcida, nos acostumamos a ouvir e ver em todas as convocações da Seleção Feminina, de 1995 até os dias atuais, o nome de Miraíldes Maciel Mota: a Formiga. Já são longevos 21 anos vestindo a camisa de nossa seleção e participando de todas as competições possíveis representando o nosso país. Ninguém, entre homens e mulheres, conseguiu tal feito além da nossa homenageada de hoje.

Já consagramos, no período das Olimpíadas, a nossa incansável Formiga (se alguém não viu o texto na época, fica aqui a oportunidade de ler) por alcançar o fato de ser a única atleta a jogar 6 Olimpíadas, por ser a jogadora que mais vestiu a camisa da Seleção Brasileira e por tantos outros feitos que passavam de certa forma despercebido ao grande público. Entretanto, o texto de hoje fala com um tom de tristeza, de uma saudade sentida de forma antecipada por saber que o jogo da final contra a Itália do Torneio Internacional de Manaus será o último da nossa eterna craque do meio de campo e tradicional camisa 8 (passou a usar a 20 por uma homenagem da CBF aos 20 anos como titular da Seleção).

Formiga chegou, aos 17 anos, na seleção como uma promessa e uma garota que encarava o futebol, mesmo sendo pela seleção, como a mesma brincadeira na rua que jogava junto com seus amigos aos 8 anos de idade. Ralou e muito para poder ganhar o pão de cada dia com o seu amado futebol. Hoje, encerra sua carreira como uma lenda do futebol feminino brasileiro e mundial, algo que nem ela esperava.

Da jovem de 16 anos a mais experiente do grupo em 2012 e 2016 (Foto: Reprodução/ISTOÉ2016.com)
Da jovem de 16 anos a mais experiente do grupo em 2012 e 2016 (Foto: Reprodução/ISTOÉ2016.com)

Formiga sai de cena em um período de visíveis mudanças no futebol feminino: a efetivação da primeira técnica a frente da Seleção Brasileira feminina (Emily Lima), os campeonatos nacionais começam a ganhar um pouco mais de incentivos financeiros por parte do governo e a mentalidade do povo brasileiro começa a mudar em relação a ver mulheres jogando bola. Todas essas mudanças passaram pelos pés e pela atuação de Formiga enquanto militante do esporte fora das quatro linhas. Entretanto, nem tudo são flores e falta muito ao Brasil para mudarmos e sermos sérios no trabalho com o futebol feminino. Não há trabalhos fortalecidos em torno de categorias de base para as meninas, a formação de atletas ainda é muito frágil e a prática do esporte pelas mulheres em alguns centros do país não é fomentada (um bom panorama da base pode ser visto nesta matéria do site “Planeta Futebol Feminino”)

Formiga deixará saudades aos amantes do bom futebol pela categoria, pela calma com a bola nos pés fora de série, a vontade insaciável da busca pela bola, a marcação cerrada nas adversárias, mas também por tudo que representa ao futebol feminino brasileiro. Sairá de cena com a aposentadoria também a maior personagem da nossa Seleção Brasileira, a referência para todas as meninas apaixonadas por futebol em nosso país, uma das líderes do grupo e a puxadora da resenha das nossas meninas.

A tradicional resenha presente também no futebol feminino (Foto: Reprodução/ISTOÉ2016)
A tradicional resenha presente também no futebol feminino (Foto: Reprodução/ISTOÉ2016)

O futebol brasileiro ficará certamente mais descaracterizado sem essa rainha em campo, perderá uma referência, mas ganha agora uma lenda e uma guerreira pela visibilidade do direito de jogar bola das meninas fora das quatro linhas. Obrigado por tudo que você jogou e por tudo que com certeza ainda irá conquistar fora das quatro linhas para as nossas meninas. O Cenas Lamentáveis agradece por tudo, Formiga.

Segue abaixo algumas entrevistas para quem não conhece mais detalhe sobre a carreira dessa grande atleta:

 

Fontes: Planeta Futebol Feminino.comISTOÉ2016.com; Globoesporte.com; Correio da Amazônia.com

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*