O Caminho da Libertadores: Atlético Paranaense

O caminho do Furacão pela tradicional competição da América do Sul

Torcida do Furacão fazendo festa na Arena (Foto:reprodução/imortaisdofutebol.com)
Por: Ramón Cordeiro, PA

Todo torcedor deseja ver seu time disputando a Libertadores, e este ano o do Atlético Paranaense terá o desejo realizado. Entretanto, a trajetória do Furacão não será nada fácil. Primeiramente, terá que superar duas pré-Libertadores para, então, alcançar a fase de grupos. Outra dificuldade encontrada pelos paranaenses é a rotatividade do elenco e possíveis lesões causadas pela quantidade de jogos em um curto espaço de tempo.

O Furacão terá como desafio inicial conciliar jogos da Libertadores e estadual. O exemplo disso é que o time estreia no Paranaense dia 29 de janeiro, um domingo, e joga na quarta-feira seguinte o primeiro jogo da pré-Libertadores contra o Milionários. Porém, no mesmo dia haverá outro jogo pela segunda rodada do Campeonato Paranaense. A volta do jogo pela Liberta será no dia 8 de fevereiro.

Primeira eliminatória

A respeito do adversário da primeira eliminatória que o Atlético jogará – embora na última participação os Millos não tenham passado da primeira fase, ficando em último lugar – o clube colombiano é tradicional na Libertadores com 15 participações e, certamente, usará este fator contra a pouca experiência dos rubro negros. Será apenas a quinta participação do clube paranaense na competição nesta edição de 2017. O Furacão terá que se preocupar também com a altitude de 2640 metros do nível do mar, a adversidade que sempre acaba tornando-se um 12º jogador dos times acostumados a estas circunstâncias.

MIllionários mandando o jogo (Foto:Reprodução/colombia.as.com)
MIllionários mandando o jogo (Foto: Reprodução/colombia.as.com)

Segunda eliminatória

Caso o Atlético passe para a próxima fase, enfrentará Deportivo Capiatá (Paraguai), Deportivo Táchira (Venezuela) ou Universitário (Peru). Destes, o time paraguaio parece ser o confronto mais favorável já que o clube faz sua estreia na história da Libertadores. Quanto aos outros adversários, a dificuldade de jogar contra os peruanos é o alçapão que o estádio monumental de Lima é transformado. Com capacidade para 80 mil pessoas, o local é um elemento a mais que ajuda o Universitário na competição. Já os venezuelanos, a tão temida altitude pode aparecer novamente como adversário caso o Táchira seja o adversário do time brasileiro, além da possibilidade de repetir futebol vistoso que o time apresentou na edição de 2016.

O Imponente Monumental de Lima (Foto:Reprodução/escudodeclubes.com.br)
O Imponente Monumental de Lima (Foto:Reprodução/escudodeclubes.com.br)

 

'Los Hinchas' Fazendo o caldeirão (Foto:reprodução/Flickr)
‘Los Hinchas’ Fazendo o caldeirão (Foto:reprodução/Flickr)
Time do Deportivo Táchira (Foto:reprodução/deportesfrontera.com.ve)
Time do Deportivo Táchira (Foto:reprodução/deportesfrontera.com.ve)

Fase de Grupos

Na fase de grupos o CAP enfrentará, caso passe os dois primeiros desafios, Flamengo, San Lorenzo e Universidad Católica no Grupo 4. Este provavelmente será o grupo da morte da edição 2017. O clube carioca será um adversário duríssimo, pois vem de uma campanha embalada do Campeonato Brasileiro 2016 e passou maior parte da competição brigando pelo título contra o campeão Palmeiras. Além disso, terá o apoio da sua apaixonada torcida que lota estádios em qualquer lugar do Brasil.

A equipe do Papa Francisco foi campeã da edição de 2014. Como os atleticanos sabem, jogar contra argentinos é sempre muito complicado, especialmente tratando-se de Libertadores. O time da Arena da Baixada tem que ter nervos de aço para encará-los, especialmente no jogo fora de casa.

O Universidad Católica é uma tradicional equipe sul-americana que dispensa comentários. O clube figura todos os anos na competição, sempre trazendo dificuldades para seus adversários. Atualmente, é líder da Apertura 2016/2017 e certamente o confronto no Chile será muito difícil, com pressão da torcida.

O dificil adversário argentino (Foto:Reprodução/Lance.com.br)
O dificil adversário argentino (Foto:Reprodução/Lance.com.br)

 

Tradicional e Campeão: O time chile é atual campeão do Clausura 2015/2016 (Foto:Reprodução/emol.com)
Tradicional e Campeão: O time chile é atual campeão do Clausura 2015/2016 (Foto:Reprodução/emol.com)

Pontos Positivos

Se a Libertadores parece difícil para os rubro negros paranaenses, eles também possuem seus pontos fortes a se apegar. Há pouco tempo foi anunciado a contratação do atacante Grafite, jogador com vasta experiência, inclusive de Seleção Brasileira, certamente será um porto seguro nos momentos difíceis da competição. O clube conta ainda com o campeão olímpico Weverton, que terminou 2016 em ótima fase. A raça argentina do  meia de 35 anos, Lucho González, que já jogou em grandes equipes pelo mundo e conhece a Libertadores, bem como a experiência de Paulo Autuori que foi campeão do Mundial com o São Paulo. Além claro da apaixonada torcida que sempre lota a Arena da baixada tornando-a em caldeirão. Com muita garra e espírito de Libertadores, o Furacão pode sonhar e quem sabe levar o caneco para o Paraná.

A experiência do Camisa 9 (Foto:reprodução/Globoesporte.com)
A experiência do Camisa 9 (Foto: Reprodução/Globoesporte.com)

 

Weverton: A segurança no gol do furacão (Foto: Reprodução/globoesporte.com))
Fontes: Globo Esporte, Globo Esporte, Globo Esporte, Globo Esporte, Globo EsporteGlobo Esporte, Folha Pe

1 Trackbacks & Pingbacks

  1. Copa Libertadores da América 2017 – O longo caminho até a taça - Cenas Lamentáveis

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*