O dia em que Eurico Miranda “desafiou” Pablo Escobar

O dirigente vascaíno conseguiu o adiar partida diante do time do Cartel de Medellín

Vasco enfrenta o Atlético Nacional em duelo remarcado na Libertadores (Foto: Reprodução)

Por Wagner Ponce, SP

Há alguns anos, contamos aqui no Cenas Lamentáveis um pouco da relação entre Pablo Escobar e o futebol do Atlético Nacional. Nunca foi comprovada a verdadeira relação do narcotraficante mais famoso da Colômbia na influência de resultados mas, em 1990, uma partida da Libertadores da América daquele ano foi adiada por uma suposta ameaça ao trio de arbitragem. Após pressão de Eurico Miranda, a Conmebol remarcou um novo confronto entre o Vasco da Gama e os Verdolagas.

Após sagrar-se campeão do torneio continental em 1989, o time de Medellín classificou-se diretamente para a disputa da fase de oitavas de final no ano seguinte, como era do regulamento da época. Encarou o Cerro Portenho do Paraguai e se classificou para o confronto com o Vasco, que havia passado pelo Colo-Colo.

No primeiro jogo, no Maracanã, empate em 0 a 0 entre as duas equipes. Quinze dias, a equipe de São Januário viajou até a Colômbia para o jogo da volta. “Já no aquecimento em campo deu para sentir a pressão, com policiais com cachorros ao nosso lado”, disse o ex-lateral Luiz Carlos Winck, que jogou naquela noite, em entrevista ao UOL. Eurico Miranda afirmou em 2014, numa entrevista ao Estado de São Paulo, que haviam homens com metralhadoras no vestiário do Vasco no dia daquela partida. Naquele dia o Vasco perdeu a partida por 2 a 0, mas não perdei a classificação.

Após a eliminação, Eurico, vice-presidente de futebol do clube na ocasião, passou a insinuar que o árbitro da partida, o uruguaio Daniel Cordellino, havia sido comprado pelo Cartel de Medellín. Outra hipótese da época, contada pelo cartola vascaíno, é que o juiz do jogo sofreu um sequestro-relâmpago como forma de intimidação. A anulação da partida foi solicitada junto a Conmebol e foi acatada, após Cordellino ter confirmado que recebeu uma oferta de suborno para beneficiar o Atlético Nacional no valor de 20 mil dólares, disse que não aceitou o valor, mas admitiu ter apitado pressionado.

Pablo Escobar era apaixonado por futebol e fazia de tudo pelos times de Medellín (Foto: Reprodução)

Para se ter uma ideia, àquela edição da Libertadores deveria contar com 3 equipes da Colômbia. Mas apenas o time de Medellín participou do torneio, já que foi o último vencedor da competição. O campeonato colombiano de 1989 não teve fim, devido ao assassinato do assistente Álvado Ortega, que anulou um gol em uma partida do Atlético Nacional numa partida contra o América de Cali. Assim o país não teve a definição dos seus campeões e não pode indicar duas equipes para a disputa do campeonato continental.

As suspeitas sobre o título da Copa Libertadores de 1989 pelos Verdolagas até hoje levante controvérsias, mas nunca foi provado que alguma influência direta tenha alterado o placar de algum jogo. No caso do Vasco, com a confirmação da denúncia de Eurico Miranda, uma nova partida foi marcada para o mês seguinte em Santiago, no Chile. Mas os cariocas saíram derrotados por 1 a 0, e ficaram fora da disputa das semifinais do torneio.

Na fase seguinte, os colombianos tiveram que enfrentar o Olimpia do Paraguai, e também foram obrigados a jogar no Chile. Após derrota nos pênaltis na partida de volta no Defensores del Chaco, o Atlético Nacional finalmente foi eliminado daquela edição da Copa Libertadores da América, e logo pelo time que havia derrotado na final do ano anterior. Os paraguaios conseguiram conquistar sua segunda Libertadores da história.

Fonte: ESPN e Globoesporte.com

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*