O futebol que não vemos: Roraima

Infelizmente, o pior estado para ser atleta de futebol no Brasil

O clássico entre Atlético Roraima e Baré é conhecido como Bareima e é o maior do estado (foto: globoesporte.com)
Por Diego Giandomenico, PR

Todo mundo tem suas manias. A minha é de guardar toda e qualquer informação inútil na cabeça. Aos 10 anos de idade, li que na Nova Zelândia existiam 3 ovelhas para cada habitante. Aos 9 anos de idade, descobri que se deixar um ovo numa solução com vinagre durante uma semana, ele pode ganhar propriedades elásticas. E aos 12 anos, aprendi que Roraima ficava no Hemisfério Norte. Confesso que tenho um pé na geografia. Sou daqueles caras que conseguem te listar – sem auxílio algum do Google – onde fica cada um dos mais de 200 países reconhecidos pela ONU, sem contar todos os territórios não reconhecidos e movimentos separatistas. Muito desse meu conhecimento se deve ao futebol, confesso.

O primeiro contato que tive com um time de Roraima foi em 2003, quando meus amigos falaram sobre o Championship Manager. Era a primeira vez que eu tinha ouvido falar sobre o jogo e para me animar sobre o game, meu amigo disse: tem muito time do Brasil, esses dias eu joguei até contra o GAS. E assim fui introduzido ao mundo do futebol roraimense, através do Grêmio Atlético Sampaio, o GAS.

 

Grêmio Atlético Sampaio, mais conhecido como GAISÃO DA MASSA (foto: globoesporte.com)
Grêmio Atlético Sampaio, mais conhecido como GAISÃO DA MASSA (foto: globoesporte.com)

Introdução

Antes de eu te falar tudo sobre o futebol roraimense, você deve entender alguns fatos e abstrair algumas coisas de sua pequena mente. Caso você more no Sudeste, Sul, Centro-Oeste e até em grandes centros do Nordeste, será muito difícil entender a realidade de quem mora na amazônia. Mobilidade, tecnologia, pós-modernismo digital e todas as baboseiras que as cidades em que a grande maioria mora está acostumada a lidar, por lá é bem diferente.

Pense na seguinte situação: você é um profissional mediano – em qualquer área que seja de sua atuação – numa cidade como São Paulo ou Rio de Janeiro ou Belo Horizonte ou Curitiba ou até mesmo Pindamonhangaba. Eis que um dia você recebe uma ótima proposta para ser um profissional de destaque em Boa Vista, Roraima. Primeiro você vai até o Google Maps para tentar entender onde diabos fica Roraima e que cidade é essa tal de Boa Vista, já que geografia nunca foi lá o seu forte. Então você descobre que Roraima tem apenas pouco mais de 300 mil habitantes e que a cidade relevante mais próxima é Manaus, que fica a 800km de onde você está. De resto, você está parcialmente isolado.

Centro Cívico de Boa Vista, capital de Roraima (foto: wikipedia)
Centro Cívico de Boa Vista, capital de Roraima (foto: wikipedia)

Claro, há internet por lá. Mas num país onde a internet já não é modelo nas cidades mais acessíveis, nas mais distantes a coisa não é fica muito melhor. Acessando o site da RoraimaNET, vemos pacotes de conexão de 600k pela bagatela de R$ 90,00. A de 5 MB – velocidade máxima oferecida -, custa próximo a R$ 250,00. Isso sem contar a dificuldade de conseguir planos de internet móvel. Então, quando você recebe uma proposta de emprego para lugares assim, é difícil aceitar.

E, infelizmente, esse é um dos problemas para o desenvolvimento do futebol roraimense: profissionais que se recusam a viver de maneira tão “isolada”. Claro que há outros, mas fiz essa não tão pequena introdução para te alertar sobre como alguns lugares têm enormes dificuldade para se desenvolver. Alguns textos atrás, escrevi sobre a revolução que precisou ser feita para que a Islândia desenvolvesse seu futebol. Mas lá, além de grana, tem gente séria por trás do esquema. O que não é o caso de Roraima.

Clubes

Cite um time de Roraima que vier a sua cabeça. Vai, agora! Não vale o GAS. Lembrou? Não? Está perdoado. Roraima tem, oficialmente, o pior futebol do Brasil. Segundo o Ranking Nacional de Federações, Roraima tem acumulado uma pontuação de 1.420 pontos. Para efeitos de comparação, São Paulo, o líder, tem 91.712. Logo chegamos a conclusão que sucesso nacional e futebol roraimense não serão encontrados na mesma sentença. Aliás, as dificuldades de Roraima não se encontram apenas em âmbito nacional, mas também no regional e pasmem, até no estadual.

Atlético Roraima

Atlético Roraima foi o primeiro campeão da era profissional, em 1995 (foto: Campeões do Futebol)
Atlético Roraima foi o primeiro campeão da era profissional, em 1995 (foto: Campeões do Futebol)

Um dos mais antigos e também o mais vitorioso do estado, o Atlético Roraima foi fundado por comerciantes e fazendeiros de Boa Vista. Por esse motivo, ganhou a alcunha de “clube dos milionários”. Seu escudo, suas cores e até o seu espírito aristocrático, foram herdados do Fluminense, pois a maioria dos fundadores eram torcedores do Tricolor das Laranjeiras. Ao todo, o Tricolor de Macejana venceu 20 títulos do Roraimense, sendo o último em 2009. Em 2002, o Atlético Roraima alcançou o que possivelmente seja o maior feito de uma equipe roraimense, chegou às oitavas de final da Série C. Se classificou em segundo lugar num grupo que tinha Nacional e Rio Negro do Amazonas, Andirá do Acre e Ji-Paraná de Rondônia. Depois eliminou a Tuna Luso e acabou caindo para o mesmo Nacional na fase seguinte.

Sua última participação em competições nacionais foi em 2009, quando não entrou em campo contra o Genus de Rondônia, numa partida válida pela última rodada da fase de grupos da Série D, o que ocasionou na eliminação da equipe e na punição de dois anos afastada de competições nacionais.

Baré

Equipe clássica do Baré, do treta campeonato consecutivo (69, 70, 71 e 72) (foto: click nos campeões)
Equipe clássica do Baré, do treta campeonato consecutivo (69, 70, 71 e 72) (foto: click nos campeões)

O Baré surgiu de um ex-membro do Atlético Roraima, Aquilino da Mota Duarte, que descontente com os rumos tomados pelos os outros membros, decidiu criar uma agremiação de seu gosto. Assim Surgiu o Baré Esporte Clube, em 1946, três anos após o nascimento de seu maior rival. O Índio da Consolata teve um sucesso menor que seu rival se considerarmos apenas os números. Foi 18 vezes campeão estadual, participou 4 vezes da Série C e uma da Série D, todas eliminado na primeira fase. Da mesma maneira aconteceu na Copa do Brasil. Em 2016, ganhou a vaga para a Série D do Brasileirão de bandeja, depois do acórdão que doou uma vaga a mais para todas as federações. Porém sua participação não foi satisfatória, já que a equipe foi punida pelo STJD pela escalação irregular de um jogador, perdendo assim todos os 4 pontos somados durante a competição e se despedindo de maneira melancólica.

Náutico-RR

Fundado em 1962 na cidade de Boa Vista, o Náutico de Roraima se transferiu em 2012 para Caracaraí, pequena cidade ao sul do Estado, conhecida como Cidade-Porto, devido ao seu movimento fluvial. Essa mudança, fez parte de uma reestruturação do clube, que rendeu bons resultados com títulos em 2013 e 2015, algo que não acontecia desde 1968, quando conquistou o seu primeiro troféu de campeão do estado. Isso começou a lhe render participação na Série D. Em 2015, o amadorismo veio à tona de uma maneira inacreditável. Na rodada inicial contra o Nacional do Amazonas, o Náutico-RR empatou por 1 a 1, mas perdeu seus pontos e foi multado pela escalação irregular de 17 jogadores. Isso mesmo. A equipe conseguiu escalar irregularmente 17 atletas. Isso lhe rendeu a perda de 4 pontos e consequentemente a eliminação precoce.

Náutico é uma das equipes mais assíduas de Roraima em competições nacionais (foto: globoesporte.com)
Náutico é uma das equipes mais assíduas de Roraima em competições nacionais (foto: globoesporte.com)

Já em 2016, as coisas foram um pouquinho melhores. A equipe conseguiu uma empolgante classificação em segundo lugar numa chave que contava com as equipes do Atlético Acreano, Genus-RO e Trem-AP. Na segunda fase, porém, veio a humilhação. O Alvirrubro de Roraima pegou o Princesa do Solimões, que venceu a primeira por 5 a 1 e a segunda por 8 a 0. Eliminação pesada pra cima do clube de Caracaraí.

São Raimundo-RR

 

São Raimundo é o único participante roraimense na Copinha (foto: globoesporte.com)
São Raimundo é o único participante roraimense na Copinha (foto: globoesporte.com)

 

O Mundão de Roraima foi fundado há 54 anos e atualmente é o clube mais poderoso do estado. Desde 2009 é campeão ou vice do estado, resultando participações na Série D (2015) e na Copa do Brasil (2013, 2015, 2017), em ambas eliminado na primeira fase. Ao todo, foi campeão estadual por 7 vezes, sendo o terceiro maior vencedor do estado. O São Raimundo-RR ainda ostenta a segunda melhor colocação entre clubes roraimenses no ranking da CBF, sustentando a 138ª posição, à frente de Baré (148ª) e Real (217ª), mas atrás do Náutico (83ª).   

Demais clubes

Tradicional River em 1989, atualmente licenciado (foto: click nos campeões
Tradicional River em 1989, atualmente licenciado (foto: click nos campeões

Fazendo um pacotão de clubes ainda temos o GAS – Grêmio Atlético Sampaio (Boa Vista), clube formado por militares na década de 60 em,homenagem ao militar cearense General Sampaio. Chegou três vezes o vice-campeonato estadual e participou duas vezes da Série C na década de 90. O Real da cidade de São Luiz do Anauá, foi fundado apenas em 2006 e se profissionalizou em 2011, quando conquistou logo de cara o título estadual. Sendo uma das únicas equipes fora de Boa Vista que conseguiu essa façanha. Esses são os clubes ativos atualmente, existem outros licenciados, que disputam um ano e param outro, dependendo da época.

2000, último título do Rio Negro, atualmente licenciado (foto: click nos campeões)
2000, último título do Rio Negro, atualmente licenciado (foto: click nos campeões)

É o caso do Rio Negro, que foi fundado por torcedores do Rio Negro do Amazonas. O clube já foi campeão estadual em 1991 e em 2000. Sua última participação foi em 2015. O São Franscisco foi campeão três vezes, em 1963, 1973 e 1974. Porém nunca disputou era profissional, iniciada em 1995. O Progresso, da cidade de Mucajaí,  foi a primeira equipe fora de Boa Vista a se profissionalizar, seu maior feito foi o vice-campeonato estadual em 2008. Desde 2009 não compete mais. Por último, o River de Roraima, mais conhecido como o Auriverde da Aparecida, foi campeão por três vezes (1979, 1989, 1994). Sua última aparição foi em 2008.

Copa Norte e Verde

As participações do futebol de Roraima em nível regional são fraquíssimas. Na Copa Norte, disputada entre 1997 e 2001, Baré, São Raimundo-RR e Rio Negro, foram sempre eliminados nas fases iniciais, por algumas vezes sem vitórias. Já na Copa Verde, Náutico e São Raimundo-RR juntos, venceram apenas uma única vez. Nunca passaram da primeira fase.

O Campeonato

Você sabia que Roraima é o único estado que não tem segunda divisão estadual? Você sabia que Roraima tem, possivelmente um dos campeonatos mais curtos do Brasil? Você sabia que se você montar uma equipe hoje por lá, pode participar do Roraimão 2018? Você sabia que Baré e Atlético Roraima são os únicos clubes que disputaram todas as edições do Roraimense na era profissional? Você sabia que a era profissional de Roraima começou apenas em 1995?

São Raimundo, o atual campeão do Roraimão
São Raimundo, o atual campeão do Roraimão (foto: BV News)

Enfim, isso resume muito do que é o futebol por lá. Não tem uma fórmula pronta, não tem time garantido, não tem tabela feita com antecedência, não tem nada. O campeonato deste ano, conta com 6 equipes: Baré, Atlético Roraima, Náutico, São Raimundo-RR, Real e GAS. São divididas em dois grupos. No primeiro turno, as equipes enfrentam apenas quem está no seu grupo e no segundo turno enfrentam quem está no outro grupo. Os dois melhores de cada grupo passam para a semifinal de maneira cruzada (melhor do A contra o segundo do B e vice-versa) e os vencedores fazem a final do turno. Se os dois turnos tiverem o mesmo campeão, não é necessário uma decisão de título. Caso o contrário, haverá uma decisão entre o campeão do primeiro turno contra o campeão do segundo. As semifinais e final são realizadas em partidas únicas.

Tudo isso disputado entre os dias 31/03 e com seu final (caso o campeão do segundo turno seja o mesmo do primeiro) no dia 09/05, às 19h. Uma bela noite de terça-feira. O campeonato inteiro é resolvido em 10 datas. Simples, não?

No primeiro turno deste ano, o Baré venceu o São Raimundo-RR nos pênaltis. No segundo turno o São Raimundo-RR deu o troco, e em seguida despachou o Baré novamente – dessa vez na final – para levantar o título do Roraimense. 

Vila Olímpica

Vila Olímpica: atual casa do futebol roraimense
Vila Olímpica: atual casa do futebol roraimense

O atual templo do futebol roraimense atende pelo nome de Vila Olímpica Roberto Marinho. Isso mesmo. Desde 2016, todos os jogos do Campeonato Roraimense são disputados neste estádio. Antes, eram disputados no Ribeirão. Normalmente as rodadas acontecem em jornadas duplas, com um jogo seguido do outro.

O público

Como todo o histórico já mostra, é difícil imaginar uma situação diferente do que estádios vazios. Apesar do profissionalismo pregado pela federação, a competição é amadora e atrai poucos torcedores ao estádio. Em 2015, o maior público alcançado foi de 832 torcedores, numa partida entre São Raimundo e Atlético Roraima.

Infelizmente a escassez de informações e a falta de pesquisas sérias na região dificultam um pouco a noção de como se comporta o torcedor roraimense ante aos seus clubes e os de fora. Por não ter pesquisas encomendadas, não temos como avaliar a extensão do domínio dos clubes do eixo, apesar de imaginar que Flamengo, Corinthians e Vasco (maiores torcidas no Norte do país) tenham sua parcela de representação por lá, além dos clubes de Manaus, a maior cidade mais próxima de Boa Vista.

A federação

Isso merece um capítulo a parte. Sabemos bem que as federações no geral não são lá muito benéficas para o futebol. Mas em Roraima, o buraco é bem mais embaixo. Zeca Xaud, que está há mais de 40 anos no cargo de presidência, parece ser um verdadeiro câncer para o futebol local. Demorou mais de 20 anos para a “profissionalização” do futebol lá, já que a Federação Roraimense de Futebol foi criada no início da década de 70 e sua primeira competição profissional foi realizada em 1995.

O figurão Zeca Xaud (BV News)
O figurão Zeca Xaud (BV News)

Já citei alguns casos absurdos acima, como o Náutico-RR ter entrado com 17 jogadores irregulares ou do Atlético Roraima ter desistido de disputar a Série D na última rodada da fase de grupos. Mas há muitos outros. Há o caso do Atlético Roraima ter estreado no Roraimão 2015 com apenas 9 jogadores, sendo o goleiro reserva usado no ataque. O GAS que tem em Vieira seu presidente, técnico e, faltam jogadores, goleiros. São Raimundo-RR que perdeu pontos na Série D de 2015 por atletas irregulares, Equipes como o Rio Negro, que por não ter dinheiro entram em licenciamento ano sim e ano não. Times que são formados para jogar apenas por um mês, já que não existe calendário depois disso. Jogadores que após o término do Campeonato Roraimense, vão trabalhar em outras funções ou mesmo jogar futsal (que é infinitamente mais bem organizado que o futebol).

Os clubes são reféns dessa situação, pois não há patrocinadores no Campeonato e eles sub-existem durante o restante do ano, tendo que viver através das migalhas dadas pela Federação Roraimense de Futebol.

Tudo isso, para lermos em entrevista que Xaud acha que fez muito pelo futebol de Roraima e que ele deveria ser indenizado por todo o tempo que perdeu de sua vida dedicando ela ao futebol do Estado. 

Mas há o lado bom. Como agora a reeleição em federações será restrita a uma única vez, Xaud aceitou deixar o cargo lá por 2023. Pois quando veio essa notícia, ele havia acabado de se tornar presidente e seu mandato acabaria em 2019, porém ele teria direito a mais uma reeleição, o que o levaria até o ano de 2023. Isso se o sujeito estiver vivo até lá. O cara é tão debochado que se orgulha por ter entrado para o Livro dos Recordes como presidente mais longevo em atividade do mundo.

Enfim, o sofrimento do torcedor roraimense não parece que irá acabar tão cedo assim.

Conclusão

Claro, ninguém aqui é ingênuo a ponto de acreditar que o futebol de Roraima seria uma potência mundial. Não seria. Porém a péssima administração somada aos fatores geográficos e econômicos, fazem de Roraima o pior estado para se jogar futebol. Resultando em desempenhos medíocres em competições regionais e nacionais.

Infelizmente a curto e médio prazo, a situação não melhorará e você possivelmente continuará desconhecer tudo o que acontece lá em Roraima. Como diz o poeta: o futebol imita a vida.

Referências: Plano Tático, globoesporte.com – Náutico, Vila Olímpica, Terra Esportes – Zeca Xaud, globoesporte.com – Tabela Roraimão 2017, Última Divisão

Confira o primeiro texto da série "Futebol que não vemos", sobre o Espírito Santo. 

5 Comentários em O futebol que não vemos: Roraima

  1. Você pode até conhecer um pouco sobre o nosso Futebol, porém desconhece e fala de forma que menospreza nosso estado. Fique por aí mesmo o nosso estado ainda é o melhor pra viver tranquilo.

    • Aqui você acertou!

      Conclusão

      Claro, ninguém aqui é ingênuo a ponto de acreditar que o futebol de Roraima seria uma potência mundial. Não seria. Porém a péssima administração somada aos fatores geográficos e econômicos, fazem de Roraima o pior estado para se jogar futebol. Resultando em desempenhos medíocres em competições regionais e nacionais.

      Infelizmente a curto e médio prazo, a situação não melhorará e você possivelmente continuará desconhecer tudo o que acontece lá em Roraima. Como diz o poeta: o futebol imita a vida

  2. Da pra perceber pelos comentários dos próprios residentes do estado de RR, que eles mesmo não ligam se o futebol lá esta sendo mal administrado e tendo um único senhor, sendo beneficiado praticamente a vida toda e deixando os clubes nessas situações.

  3. Aqui em RR ninguém liga mt pra futebol mesmo… Só achei meio equivocado lá em cima, onde diz que dificilmente uma pessoa aceita uma proposta de emprego aqui, sendo que a maioria da população de RR é composta de sulistas e nordestinos, que vinheram justamente por causa de emprego

1 Trackbacks & Pingbacks

  1. O futebol que não vemos: Amapá - Cenas Lamentáveis

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*