O livro do Bruxo Parte II: Ronaldinho Gaúcho, o melhor do mundo

A lenda R10. (AP Photo/Bruno Magalhaes)
Por: Lucas Poeiras, MG

Um bruxo conquista o mundo: os anos no Barcelona ( 2003-2008)

As glórias de um craque que foi aplaudido até pelos rivais

O Barcelona vinha da primeira metade da década em um espírito de queda e baixa autoestima. O clube vinha sem nenhuma conquista importante, a saída do ídolo Luís Figo para os rivais e ainda viu suas aspirações em  direção ao título da Champions League sumirem nos pés de Zidane, em 2002.

A abertura da janela de transferências em julho de 2003 trouxe uma notícia simples e que mudaria o mundo da bola para sempre. Por cerca de vinte milhões de euros, Ronaldinho foi comprado do Paris Saint German e levaria seus talentos para o Barcelona, da Espanha.  Sua estreia com a camisa catalã foi contra o Milan em amistoso de pré-temporada, e logo mostrou sua qualidade marcando o gol da vitória. A chegada do craque brasileiro marcava também a entrada do novo técnico holandês: Frank Rijkaard, por indicação do lendário Yohan Cryouff. A temporada de 2003-04 começou com campanha aquém dos investimentos dos catalães e precisou de uma grande campanha no returno. O time terminou em segundo lugar e Ronaldinho já dava sinais claros que seria a grande estrela do time.

O período seguinte 2004-05 traria grandes momentos para o brasileiro. Seria sua primeira temporada como protagonista do futebol espanhol ao lado dos companheiros Edmilson, Beletti e o português Deco. O título de bruxo começaria a fazer a sentido devido aos dribles desconcertantes, pela visão de jogo e pela incrível capacidade de colocar a bola em qualquer lugar do campo de forma suave e capacitada. A caminhada ao título da Liga BBVA trouxe a classificação para a Liga dos Campeões e a primeira Bola de Ouro.

Ele, agora, seria o melhor do mundo por duas vezes em 2004 e 2005, sendo que a segunda ocasião venceu o inglês Frank Lampard por mais de 500 pontos de diferença no ranking da Fifa.

ronaldinhomelhor
O melhor do mundo em 2005 (Foto: Uol Esportes/Reprodução)

O ano de 2006 trouxe o segundo título consecutivo espanhol para o Barça e outra conquista épica: a Liga dos Campeões. A grande campanha e o protagonismo de Ronaldinho foram destaques desta campanha que não tomou conhecimento dos adversários na fase de grupos e ainda eliminou Chelsea, Benfica e Milan para encontrar o Arsenal na final. Na grande decisão Ronaldinho retornou a França para fazer história ao lado dos seus companheiros. O forte grupo inglês capitaneado por Thierry Henry vinha da campanha invicta de 2004-05 e trouxe muita dificuldade em uma grande partida. O bruxo contou com a ajuda de Eto’o e do compatriota Beletti para alçar o Barcelona de volta ao topo.

Ronaldinho é também considerado um espelho para o desenvolvimento de Lionel Messi. As primeiras chances do argentino foram ainda na presença de Rijkaard e a presença do brasileiro foi importante para o desenvolvimento do futuro quatro vezes melhor do mundo. O bruxo então sairia pela porta da frente como um dos maiores ídolos da agremiação catalã e continuaria seu bom futebol na Itália.

Um jogo inesquecível: Real Madrid 0 x 3 Barcelona – Campeonato Espanhol 2004-05

Um dos jogos mais incríveis que catalães e merengues disputaram. O lado catalão fazia uma grande temporada e o lado merengue dos “galáticos” estava em declínio sob o comando de Vanderlei Luxemburgo. O Bruxo eternizou esta partida devido ao futebol impossível de ser parado. Driblou, tocou, marcou, passou e encantou até mesmo os torcedores do Real recebendo aplausos em pé pelo show que orquestrou nesta noite. No auge da sua forma física Ronaldinho era claramente o melhor jogador de futebol do mundo e ainda fez questão de confirmar isto parando o time dos galáticos em um dos seus lances mais espetaculares que pode ser visto no vídeo abaixo. O destaque vai para a expressão de “impossível isto que ele faz” que o arqueiro Casilas faz no fim do lance.

A saga continua: o tempo no Milan ( 2008 – 2010) 

Ao deixar o clube catalão, Ronaldinho recebeu a proposta de ir para vários clubes, incluindo o Manchester City, mas por influência do técnico Rijkaard escolheu a Itália para continuar a carreira. Ingressou no time comandado por Allegri (hoje, técnico da Juventos de Turim) que tinha Seedorf como sua maior estrela e ainda contava com o craque sueco Ibrahimovic. Apesar de não ter feito uma passagem estrelar, fez bons jogos no começo de sua estada em Milão. O ano de 2009 trouxe o banco de reservas de novo a vida de Ronaldinho que precisou reencontrar seu bom futebol na temporada de 2010. No seu último ano de Milan, sagrou-se líder de assistências da Série A italiana, mas insatisfeito com a eventual reserva, pediu as contas do clube e anunciou que desejava voltar ao Brasil. Em 2015, o técnico Allegri perguntado sobre a passagem de Ronaldinho pelo Milan deu uma entrevista polêmica alegando que o craque tinha perdido a vontade de jogar bola durante o seu tempo na Itália, mas que considerava sua qualidade técnica impressionante.

Um jogo inesquecível  – Milan 2 x 3 Manchester United – Oitavas de Final da Liga dos Campeões da Europa

Apesar do placar desfavorável ao Milan, Ronaldinho mostrou toda sua qualidade nesta partida. O time italiano estava tentando se reequilibrar após a saída do seu craque e melhor jogador, Kaká, mas ainda contava com um esquadrão de elite com Thiago Silva, Beckham, Pirlo e Dida. Na disputa entre Rooney e Ronaldinho, muitos lances geniais foram vistos e se não fosse o grande goleiro Van Der Sar para executar duas defesas impossíveis o placar seria muito diferente e não marcação de um penal claro em cima do Bruxo no começo do jogo o placar seria diferente.

Um curto período sombrio: a passagem pelo Flamengo (2011-2012)

Ao anunciar que retornaria ao Brasil, Ronaldinho encheu de esperança todos os que gostam de bom futebol. O caminho natural seria retornar a cidade natal de sua família e ingressar no Grêmio seu clube de base. Após arrastadas negociações envolvendo seu irmão e empresário, o Grêmio anunciou que desistiu da contratação e abriu caminho para que outros clubes pudessem negociar com o craque. A gestão de Patrícia Amorim, no Flamengo, aclamou grande investida financeira para trazer o jogador para o Flamengo. Ronaldinho, então, assinou um contrato de quatro anos recebendo na época o maior salário do Brasileirão e sagrou-se campeão Carioca no começo do ano, mas fez uma temporada aquém do que era esperado.

A expectativa para a temporada do Flamengo subiu muito e todos acreditavam que o craque jogaria sozinho. O desempenho irregular do time colocou muita pressão e insegurança para Ronaldinho, e somado as polêmicas extra campo sua carreira na Gávea, encontrou muitas dificuldades. Após um ano, sua curta passagem pelo rubro negro foi encerrada prematuramente por problemas de recebimentos nos salários e direitos de imagem.

Um jogo inesquecível – Flamengo 5 x 4 Santos pelo Brasileirão de 2011

Um jogo que já foi retratado, inclusive aqui no Cenas Lamentáveis pelo show de Neymar e Ronaldinho. Os Santistas abriram 3 a 0 no placar no primeiro tempo. Os dois melhores jogadores da partida voltaram com tudo no segundo tempo e até gol de cobrança de falta por baixo da barreira o craque fez.

Um precisava do outro: Atlético Mineiro e Ronaldinho Gaúcho fazem história em Minas Gerais (2012 – 2014)

O presidente do Atlético Mineiro, em junho de 2012, deu uma entrevista enigmática para a imprensa mineira dizendo: “Nosso camisa 10 saiu do Flamengo” ao responder as perguntas a respeito de uma nova contração para o meio campo do Galo. Antes da sua apresentação oficial, até um helicóptero sobrevoou o Centro de Treinamento da Cidade do Galo tentando captar imagens para confirmar a notícia. Alguns repórteres tentaram desmentir que era Ronaldinho, mas, pelo Twitter, o mandatário alvinegro confirmou: “Ronaldinho é do Galo”. O craque veio por um contrato muito amigável para o Galo até o fim de 2012, por cerca de 300 mil reais.

Ronaldinho, muito questionado na mídia, precisava reencontrar seu bom futebol e o Atlético precisava reencontrar os títulos. A primeira campanha com a camisa preta e branca foi história. O bruxo foi eleito o melhor jogador do Brasileirão após várias atuações de muita qualidade. O título nacional escapou pelos pés do atacante Fred, que fez grande temporada pelo Fluminense, e ajudou o tricolor a vencer o campeonato. O segundo lugar trouxe a classificação direta para a fase de grupos da Copa Libertadores da América. O ano de 2012 também marcou a luta de Dona Miguelina, mãe do craque, contra o câncer. Durante um jogo do Atlético, a torcida hasteou um bandeirão com a foto do craque abraçado com a mãe escrito “Fé em Deus”. O jogador veio a público prometer que daria seu melhor para vencer pelo time.

O ano de 2013 trouxe então a história campanha na Libertadores. Ronaldinho foi fundamental e suas melhores atuações foram pela fase de grupos, onde o Bruxo fez de tudo em campo, até a malandragem com o goleiro do São Paulo Rogério Ceni para marcar um gol. O time sagrou-se campeão e Gaúcho retornou ao topo de uma competição continental, entrando para um seleto grupo de atletas que venceram UEFA e Libertadores. A disputa da Recopa, em 2014, foi o último jogo pelo Galo, já que Ronaldinho não vinha se entendendo com o técnico Levir Culpi. Saiu mais uma vez pela porta da frente com seu nome gravado na história.

Um jogo inesquecível – Atlético 5 x 2 Arsenal de Sarandí pela fase de grupos da Copa Libertadores

Ronaldinho estava impossível neste jogo, tão impossível que até puxão de cabelo recebeu para ser parado. Não há forma mais exata de descrever sua inesquecível atuação no campeonato continental. Fez dois gols, deu uma assistência, comandou o time por completo e marcou o mais belo gol durante sua estada no Galo.

Flashes pelo mundo: Querétaro e Fluminense ( 2014 – 2016)

Ronaldinho saiu do Atlético, mas não do Galo. Seu destino foi o Querétaro, time mexicano que também é presentado pelo mascote. Sua passagem lá foi rápida, mas trouxe boas atuações. Após muitas críticas da imprensa mexicana, ele anunciou sua saída do clube. Ficou afastado dos gramados por alguns meses e então retornou ao futebol rapidamente, disputando apenas sete jogos como opção pelo Fluminense. Ronaldinho anunciou, então, em 2016 que encerrará sua carreira como atleta e dedicará sua vida para novos projetos.

R10 no Flu
Treinando pelo Flu (Foto: IG/Reprodução)

O que torna Ronaldinho ainda mais querido e atemporal?

A questão pode ser respondida pela sua simplicidade: ele é um de nós. Os mais céticos do seu futebol podem condenar os seus problemas extra campo para controlar a sua vida noturna, mas Ronaldinho conquistou muitos títulos importantes. Ele trouxe toda a alegria do futebol das crianças nas ruas e projetou este estilo em todo o mundo. Seu carisma e sorriso também sempre foram marca registrada de uma pessoa que se divertia com seu trabalho. Além das fotos engraçadas, a comemoração com pagode na Copa de 2002 e a recente cantoria com o músico Wesley Safadão, ele trouxe para futebol a possibilidade de fazer os maiores competidores do mundo caírem aos seus pés com um sorriso no rosto. Ronaldinho driblou não só os zagueiros, mas também as possibilidades da vida e a lógica. Merece toda a sorte agora, como aposentado, e estará nas memórias de vários torcedores ao redor do mundo e, em especial, do brasileiro.

Perdeu a primeira parte? Confere aqui:

O livro do Bruxo: a história de Ronaldinho Gaúcho – Parte 1

Fontes: Globo Esporte  ,Superesportes, Estadão, Gazeta e Uol Esporte

 

 

3 Comentários em O livro do Bruxo Parte II: Ronaldinho Gaúcho, o melhor do mundo

  1. ESSE GOL QUE ELE MARCOU CONTRA O ARSENAL FOI MUITO BONITO, MAS TEM 2 MAIS BONITOS AINDA QUE ELE FEZ COM A CAMISA DO GALO: UM QUE ELE DIBRA METADE DO TIME DO CRUZEIRO, DO MEIO DE CAMPO ATÉ A GRANDE AREA E FAZ O GOL. E OUTRO CONTRA O FIGUEIRENSE NO BRASILEIRÃO DE 2012, ONDE ELE DA UM CHUTE DE BRUXO DE FORA DA AREA E A BOLA FAZ UMA CURVA INCRIVEL. ELE ATE CHORA DPS DO GOL, FOI EMOCIONANTE

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*