O poço sem fundo da Portuguesa-SP

O CLUBE PEDE SOCORRO

A esperança de dia melhores está cada vez mais distante da Lusa [Foto: Reprodução/NETLUSA]
Por: Honorato Vieira, CE

A Portuguesa perdeu por 1 a 0 para a Desportiva/ES, em Cariacica, e foi eliminada da Série D do Campeonato Brasileiro. O tradicional clube paulistano, que até 2013 disputava a elite do futebol nacional até ser rebaixado por uma punição do STJD, não teve forças para sequer passar da primeira fase da competição nacional.

Para não ficar sem competições nacionais em 2018, a Lusa tem que vencer a Copa Paulista, que começa na próxima semana e dá ao campeão o direito de escolher entre uma vaga na Série D ou na Copa do Brasil do ano seguinte. A Portuguesa disputará a Série A 2 (segunda divisão) do Campeonato Paulista no próximo ano.

A culpa não é só do “caso Héverton”

Muitos ligam a decadência da Portuguesa ao caso Héverton, que foi escalado irregularmente na última rodada do Brasileirão 2013, mas poucos sabem que o problema é bem mais complexo.

Toda eleição na Lusa é uma polêmica. As nefastas disputas políticas sempre trouxeram consequências desastrosas ao clube, principalmente por vários dirigentes que se achavam donos.

As más administrações tomaram conta do Canindé e só deixaram mais dívidas e problemas na agremiação. Com os ‘lobos do futebol’, a Rubro-verde passou ter inúmeras ações trabalhistas e a bola de neve só aumentando.

Sem renda, alguns torcedores mais ricos tentavam ajudar a Portuguesa, mas sempre eram afastados por quem estava no comando. Outros apareciam com interesses particulares para investir dinheiro e “recuperar” com juros.

O fato é que o problema central da Lusa é a administração e a politicagem que envolve a instituição. A inexplicável queda em 2013 foi apenas o ápice de um drama que já vinha acontecendo nos bastidores.

Os rebaixamentos

Após a queda em 2013 foram três rebaixamentos em quatro anos. Em 2014, o time fez uma campanha terrível na Série B, terminou em 20º lugar e foi rebaixada à Série C. Caiu duas divisões em dois anos.

Em 2015, o ano já começou ruim. A Portuguesa foi muito mal no Campeonato Paulista e acabou rebaixada à Série A2 regional. Depois, o time passou raspando na campanha para o acesso na Série C. O Vila Nova foi o adversários das quartas de final e acabou eliminado a Lusa, conquistando a vaga na Série B. Ficaria mais um ano na Série C.

O ano de 2016 não foi melhor. A campanha na Série A2 do Paulista foi ruim. O time terminou apenas em 13º lugar, sem conseguir a classificação à fase final (os oito primeiros se classificaram). A campanha na Série C culminou com o rebaixamento à Série D e um futuro tenebroso pela frente. Na última divisão do futebol brasileiro, a Lusa foi eliminada ainda na primeira fase.

Respeitem a história da Portuguesa

A Lusa não é a chacota que estamos vendo ou digna de pena como muitos pensam. A história da agremiação tem de ser respeitada. Além de títulos históricos, embates marcantes e uma galeria de troféus repletas de histórias, a Portuguesa de Desportos é um patrimônio do nosso país.

Como bem disse o blogueiro do Globoesporte.com, Luiz Miranda:

Um dia perceberão que uma parte importante do futebol deste país evaporou. O clube que revelou o primeiro brasileiro campeão do mundo. O clube que foi ao exterior representar o Brasil após o vexame de 1950 e voltou recepcionado por uma multidão em São Paulo. O clube que cedeu quase que meio time para a Copa do Mundo seguinte. O clube que um dia foi base da seleção brasileira. O clube que foi considerado uma das quatro grandes forças do futebol paulista. Sim, uma das quatro. O clube que construiu todo seu patrimônio sem um tostão público, apenas com o suor e as lágrimas de uma coletividade.

Para encerrar, desfrutem de uma Portuguesa que representa a história do Canindé e quase brocou o Campeonato Brasileiro de 1996.

Que a Lusa volte!

Fontes: Globo Esporte, NETLUSA

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*