Os templos escondidos no Nordeste brasileiro – Parte 1

Todos sabemos que o nordeste é uma fonte rica de esperança para o nosso futebol. É só parar para assistir os Estaduais e a Copa do Nordeste dos caras que fica fácil perceber um ambiente futebolístico absurdamente moralizador, capaz de nos remeter a um passado de glórias no futebol.

Os palcos onde se realizam os jogos aqui são os responsáveis por proporcionar todo esse meio maravilhoso no nosso esporte. Apesar das Arenas já terem chegado (mas não dominado) à nossa região, certos estádios aqui contam com as seguintes QUALIDADES: arquibancada no cimento; não precisa formar fila do lado de fora pra entrar, e ainda assim consegue ser mais rápido que as Arenas Gourmet; lanchonetes com pratos de origem duvidosa; concentração no carrinho de espeto de gato com cerveja do lado de fora. Fedor de mijo.

Creiam, confrades, sou perito formado na Faculdade CL de Avaliação de Estádios e Condições de Jogo e afirmo com toda a propriedade que é completamente IMPOSSÍVEL um ser humano possuir caráter sem ter ido a um estádio que ostente as condições acima citadas. Assim como também não haveria nenhuma possibilidade do 7 x 1 ter ocorrido nos templos que vos mostrarei abaixo.

 

Estádio Parque Santiago. Salvador-BA

Estádio Parque Santiago. Salvador-BA
Pois bem, senhores, esse verdadeiro MONUMENTO pertence ao gigante Galícia Esporte Clube, o primeiro tricampeão baiano. Observem a arquitetura deste templo, o entorno e as ótimas condições do gramado. Em tal lugar não ocorreria sequer o gol contra de Marcelo, que dirá o 7×1.

 

Estádio Municipal Leandro Cláudio da Silva. Barra do Corda-MA.

Estádio Municipal Leandro Cláudio da Silva. Barra do Corda-MA.
Das várias fotos que cacei na internet, não achei nenhuma que mostrasse as arquibancadas, logo, constata-se que a capacidade de 1.400 pessoas que dizem possuir o Estádio é em pé no BARRANCO ou sentado em cima do muro. Foi nesse ambiente que, em 2011, o presidente do Atalanta de Tuntum, Genilson Araújo, em uma nota oficial, denunciou atitudes deveras lamentáveis de jogadores do Cordino (clube mandante do estádio), como: uma cotovelada sofrida por um jogador do seu time que ocasionou em CINCO pontos na testa e uma lata de cerveja atirada pelo goleiro GEYGLANEM em uma briga na saída de campo. O jogo era um amistoso.

 

Estádio Caio Feitosa. Porto da Folha-SE.

Estádio Caio Feitosa. Porto da Folha-SE.
Com capacidade para 3.000 pessoas, o estádio fica localizado no sertão sergipano e abriga os jogos do Guarany. Em 2012, em um jogo contra o Sergipe pelo Estadual, o gandulão deu uma de zagueiro, invadiu o campo e salvou uma bola em cima da linha, evitando o segundo gol do Sergipe. Saiu como se nada tivesse acontecido e deixou a treta rolar. Em entrevistas à jornais de grande circulação, afirmou: ‘’O árbitro estava roubando muito para o Sergipe. Fiquei com muita raiva e aproveitei para ajudar o meu time. Ele anulou um gol claro nosso e, se lá não entrou, aqui também não iria entrar – desabafou.’’ Vida longa a esse homem.

 

Os confrades leitores estão convidados a deixarem nos comentários opções dos nossos templos futebolísticos que serão devidamente estudados e citados em futuras matérias. Essa é somente a Parte I da maior série jornalística que esse país está prestes a presenciar. Aguardem.

Texto: Felipe Cavalcante

7 Comentários em Os templos escondidos no Nordeste brasileiro – Parte 1

  1. Um vídeo mostrando essa bela obra-prima de Olinda https://www.youtube.com/watch?v=XVJrfSd7ZmY. Uma curiosidade é que os postes onde ficam os refletores ficam DENTRO DO CAMPO (e possui um colchão ao redor de cada um para que nenhum atleta se machuque numa possível CENA LAMENTÁVEL, que é muito comum neste palco), atrapalhando, assim, todos que estão nas arquibancadas e até as cabines de rádio e TV que fazem a transmissão do jogo. Outro fato curioso é que em um jogo entre Olinda x Íbis, na Série A2 do Pernambucano, o poste pegou fogo e logo chegou ao colchão de proteção, sendo apagado pelos GANDULAS. O resto é com vocês.

  2. Posso citar dois aqui em SC.

    Estádio Dr. Hercílio Luz, vulgo Gigante das avenidas, estádio do Clube Nautico Marcílio Dias, clube mais velho do estado em atividade, localizado em Itajaí. Ainda vende cerveja no estádio e o cheiro de mijo é o cheiro natural do esquenta galho, conhecido também como arquibancada descoberta. Assistir partida aqui como visitante é coisa de confrade Lentra A, porque o couro come invariavelmente.

    http://www.escudosdeclubes.com.br/est_gigantao_das_avenidas-sc.jpg

    Estádio Augusto Bauer – Estádio do Brusque Futebol Clube, situado em Brusque, clube que já teve o Viola aos 40 e tantos anos no seu plantel. Estádio já foi palco de diversas cenas lamentáveis.

    http://www.diplomatafm.com.br/2013/arquivos/noticias/896/fotos/7dscn7323_logo.jpg

    Menção Honrosa para o Robertão, Estádio Roberto Santos Garcia em Camboriú, palco das cenas lamentáveis abaixo:

    https://www.youtube.com/watch?v=9Z5mX2yeHyg

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*