Retrospectiva – Copa do Nordeste: Santinha de volta ao topo

Por: Pedro Pereira, MA

Mais um ano se passou e o campeonato regional mais moralizador do Brasil teve destaque novamente. A Copa do Nordeste com mais uma edição marcou o inicio do ano e contou mais uma vez com torcidas apaixonadas, estádios lotados e muita raça. Os grupos definidos no ano anterior contavam com alguns confrontos interessantes logo de cara. No grupo C, por exemplo, tivemos confrontos entre Santa Cruz e Bahia. Já no grupo D, o embate principal foi entre Sport e Fortaleza. A verdade é que, não importam os times, a Copa do Nordeste sempre trará bons jogos.

Fase de Grupos

No grupo A, a expectativa ficou voltada para ABC e Campinense, principalmente, por serem os times mais tradicionais e ter desempenhos melhores nas competições nacionais. O time paraibano fez o dever de casa, ao se classificar em primeiro de seu grupo com 16 pontos e invicto. Já o ABC  teve um desempenho bem abaixo do esperado e terminou na lanterna do grupo, atrás até do Imperatriz-MA, que fez uma temporada ruim, inclusive no maranhense. Assim, o Salgueiro teve caminho livre para cravar sua classificação nas quartas de finais como segundo colocado com 10 pontos.

Apesar do grande peso da camisa, ABC não teve o desempenho esperado (FOTO/Reprodução Globo Esporte)
Apesar do grande peso da camisa, ABC não teve o desempenho esperado (Foto/Reprodução Globo Esporte)

O grupo B parecia bem encaminhado com relação a possibilidade de classificação. América-RN e CRB eram os mais cotados para brigar pela classificação, no entanto, a disputa foi bem mais equilibrada. O CRB, apesar de se classificar em primeiro, teve alguns tropeços, como contra o Cururipe onde perdeu por 1a0 e contra o America-RN onde também perdeu. Na ultima rodada, o Cururipe chegou com chances de ficar em segundo colocado e até ameaçar o líder CRB e só precisava vencer o Mecão para atingir o feito, o que não aconteceu. Jogando fora de casa, apenas empatou.

O grupo C começou já com um grande confronto: Santa Cruz e Bahia se enfrentaram logo na primeira rodada do grupo. Uma vitória poderia representar já um grande passo rumo a classificação. O primeiro jogo ocorreu em Pernambuco e o tricolor de aço arrancou uma vitória pelo placar minimo. Esse resultado dava esperanças ao Confiança e a Juazeirense de ameaçar uma classificação. No entanto, no decorrer da competição a hegemonia dos tricolores ficou evidente e ambos se classificaram sem muitas dificuldades.

No grupo D, Fortaleza e Sport se destacaram, fazendo um duelo acirrado pela liderança do grupo. Ambos os times tropeçaram durante a fase: o Sport por duas vezes empatou com o River-PI e o Fortaleza empatou dentro de casa contra o Botafogo-PB e perdeu por 2a1 jogando fora de casa. Mesmo assim, o tricolor do pici e o leão da ilha seguiram adiante.

No último grupo, os olhares se voltavam para Ceará e Sampaio Corrêa, que provavelmente disputariam a liderança do grupo. Porém, o Vitória da Conquista se mostrou uma verdadeira pedra no sapato logo de cara. Na primeira rodada, o time baiano superou o Ceará jogando em casa por 2a1. Após essa derrota, o Ceará emplacou bons resultados que garantiram sua classificação. O Vitória da Conquista ainda faria mais uma “vitima” na competição. Dessa vez, o Sampaio Corrêa foi o derrotado, o que prejudicou sua luta pela classificação.

Quartas de Finais

(FOTO/Reprodução: atarde.uol.com.br)
(FOTO/Reprodução: atarde.uol.com.br)

As quartas de finais começaram com mais alguns grandes duelos. O Fortaleza recebeu o Bahia no jogo de ida e saiu logo na frente aos 7 minutos com Juninho. Com o resultado, o tricolor do Pici seguiu pressionando com boas chegadas ao ataque. Aos 32, em uma descida do tricolor baiano, Juninho (agora o do Bahia) chutou forte de fora da área para igualar e o placar e 4 minutos depois, Juninho novamente soltou a bomba para virar o jogo e complicar o Fortaleza. O jogo de volta foi um confronto bem equilibrado. Logo no primeiro tempo, o Bahia teve a chance de encaminhar sua classificação com um pênalti sofrido por Thiago Ribeiro. O mesmo bateu mas perdeu a chance. No segundo tempo, o Fortaleza marcou com Eduardo e deu esperanças ao torcedor do leão. Após o gol, o Fortaleza seguiu pressionando, mas sem êxito. Aos 39 do segundo tempo, Juninho marcou um belo gol e levou o tricolor da boa terra as semifinais.

diego-souza-sport
(Foto/Reprodução: Torcedores.com)

O CRB recebeu o Sport pelo jogo de ida. Os donos da casa marcaram logo aos 11, com Lúcio Maranhão. Com um jogo truncado e bem disputado e de poucas oportunidades, o Leão da Ilha encontrou espaço para chegar a meta adversária e empatou com um belo gol de Reinaldo Lenis. No segundo tempo, Somália marcou após uma jogada bem trabalhada e deixou o CRB em vantagem para o jogo de volta.

Na Ilha do Retiro, o Sport ditou o jogo principalmente no primeiro tempo, onde a maioria das chances era rubro-negra, mas sem êxito. No segundo tempo o CRB teve uma participação maior e chegava várias vezes com perigo pela esquerda com Luidy. A pressão do Sport teve resultado aos 29, quando Renê abriu o placar e classificou o leão.

Santa Cruz e Ceará também disputaram uma vaga nas semis. Jogando no Arruda, o Ceará não tomou conhecimento do Santa e de sua torcida e aos 22, abriu o placar com Rafael Costa. No segundo tempo, o ataque formado por Keno e Grafite começou a dar resultados. Logo aos 7 do segundo tempo, Keno igualou o marcador. O jogo seguiu disputado até o fim e quando tudo se encaminhava para o empate, Keno marcou um lindo gol nos acréscimos e deixou o Santinha próximo das semis. No jogo de volta, a boa atuação do goleiro Tiago Cardoso, salvou o Santa inúmeras vezes. O Ceará pressionou a maior parte do jogo, mas foi aos 42 minutos da segunda etapa que o placar foi aberto com Wallyson, que matou o jogo.

(Foto/Reprodução: maispb.com.br)
(Foto/Reprodução: maispb.com.br)

O Salgueiro recebeu o Campinense no jogo de ida. A raposa fez um jogo equilibrado no primeiro tempo e aos 19 minutos, Jussimar abriu o placar. Na volta do intervalo, a superioridade técnica do Campinense se traduziu em mais chances e gols. O segundo tento foi novamente marcado por Jussimar, feito que complicou o Salgueiro para o jogo de volta.

Na Paraíba, o Campinense tinha a missão de apenas administrar o resultado, algo que se tornou bastante perigoso principalmente quando Anderson Lessa marcou no fim do primeiro tempo. Nos 45 minutos finais o Salgueiro partiu para o tudo ou nada. A situação mudou totalmente quando aos 28 do segundo tempo, o Salgueiro ampliou o placar para 2 a 0 e mudou o panorama do jogo.  O Campinense foi atrás do placar nos momentos finais quando Adalgiso Pitbull saiu do banco para marcar o gol que salvou e classificou o Campinense.

Semifinais

Disputa pela final foi acirrada (Foto/Reprodução: globoesporte.com)
Disputa pela final foi bastante acirrada (Foto/Reprodução: globoesporte.com)

Mais uma vez, Santa Cruz e Bahia se enfrentariam na Lampions mas dessa vez valendo uma vaga na final. O primeiro jogo foi em Recife, em um Arruda cheio. O primeiro tempo foi equilibrado e com boas chances para ambos os times. No entanto o Bahia conseguiu traduzir suas chances em gol e aos 20, Hernane botou o tricolor na frente. Mas no fim do primeiro tempo o garoto Keno empatou a partida com um belo chute de fora da área. O ataque do Santinha que unia juventude e experiência começou a funcionar e aos 13 do segundo tempo, Grafite virou o jogo para o tricolor pernambucano. Próximo ao fim da partida, após um escanteio, a bola fica viva na área e no bate-rebate, a bola resvalou no braço do defensor coral. Com o pênalti convertido por Luisinho, o Bahia empatou o jogo e levou a decisão para Salvador com grandes chances.

Em Salvador, o jogo começou com as equipes se estudando e arriscando pouco. Aos 14, Grafite roubou a bola e marcou aquele que seria o único gol do jogo. A pressão ficou toda para o lado baiano que precisava de apenas um gol para ir pra final. Arriscava com muitos cruzamentos e teve várias chances perdidas. A polêmica do jogo ficou por conta da “expulsão” de Grafite que não foi corretamente feita pelo árbitro, o que gerou uma grande confusão que gerou a expulsão do técnico Milton Mendes. A partir dali, o descontrole dos jogadores gerou mais expulsões para o lado do Bahia. Por fim, Santa Cruz na final.

Foto/Reprodução: Futebol Hoje.
(Foto/Reprodução: Futebol Hoje)

Na outra semi, Sport e Campinense lutaram por outra vaga na final. Na Ilha do Retiro, o Sport dominou boa parte do jogo, arriscando chutes principalmente de fora da área e abusando da velocidade de seus jogadores. Além disso, o goleiro Glédson estava em uma noite inspirada. O jogo se encaminhava para um empate sem gols, o que colocaria o Leão em uma posição difícil no jogo de volta, mas nos acréscimos do segundo tempo, Durval, o zagueiro que mais dá risadas no futebol, deu uma de atacante e deu a vitória ao rubro negro.

No jogo de volta, com o Amigão lotado, o Campinense foi pra cima do Sport e com 40 segundos de jogo, o artilheiro Rodrigão deu um chute perigoso e mostrava que a raposa queria a vaga. O primeiro tempo foi todo do dono da casa, com chutes perigosos e boas jogadas mas que não resultaram em nenhum gol. No segundo tempo, o Sport tentou engrenar na partida com cruzamentos na área mas sem muito perigo. Aos 17 do segundo tempo, Rodrigão reafirmou sua artilharia e abriu o placar, que se estendeu até o fim do tempo normal. Nos penaltis, Joécio converteu a penalidade e levou a Raposa a mais uma final.

Final

A final do Nordestão 2016 foi brigada até o últimos segundos (Foto/Reprodução Globo Esporte)
A final do Nordestão 2016 foi brigada até o últimos segundos (Foto/Reprodução Globo Esporte)

A grande final da Copa do Nordeste 2016 reuniu dois ataques poderosos. De um lado, Keno e Grafite, que uniam a juventude e a experiência; do outro, Rodrigão, o grande artilheiro da competição. O primeiro jogo foi em Recife, com um Arruda lotado com uma vontade uniforme de que o grito de campeão ecoasse pelas arquibancadas. As oportunidades foram surgindo aos poucos, com chutes que levavam bastante perigo a meta do goleiro Glédson. Aos 30 minutos do primeiro tempo, após o cruzamento, Grafite resvalou na bola e abriu o placar para a cobra coral, que ficou mais perto do título. O Campinense criou suas chances principalmente pelo lado esquerdo com Felipe Ramon. No segundo tempo, a Raposa chegou ao empate com Tiago Sala, após cruzamento na área. O jogo se encaminhava para o empate quando, aos 47 do segundo tempo, Bruno Moraes aproveitou o cruzamento rasteiro e fez o gol da vitória.

Santinha fatura titulo da Copa do Nordeste (Foto/Reprodução: UOL Esportes)
Santinha fatura titulo da Copa do Nordeste (Foto/Reprodução: UOL Esportes)

A decisão ficou para o Amigão, que recebeu um grande público. O primeiro tempo contou com muitas oportunidades das duas equipes, principalmente pelas laterais do campo. Com o placar ainda zerado, o segundo tempo começou com o Campinense correndo atrás do resultado e aos 26, o artilheiro Rodrigão abriu o marcador e colocou o Campinense a poucos minutos do título. O estádio foi ao chão mas a alegria não durou muito, pois 8 minutos depois, Arthur empatou o jogo e deu o caneco para o Santinha, que além do titulo, garantiria vaga na sul-americana.

Assim, em 2016, o Santa Cruz começou o ano com um título importante e que dava moral para o time que iria disputar a Série A e tentaria no mínimo se manter na elite, algo que não aconteceu.

 

Fontes: Esporte Interativo, ogol.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*