Rua Javari – O “maior” templo do futebol paulistano

Arquibancadas da Rua Javari (Foto: globoesporte.com)
Por: Wagner Ponce, SP

É difícil encontrar em adjetivo para classificar o Estádio Conde Rodolfo Crespi ou Rua Javari para os populares. Para descrever, é necessário entender e vivenciar a experiência de se assistir uma partida do Juventus em sua casa. Existe um ritual que circula toda essa experiência! Você duvida? Então, tire um dia para conhecer esse cantinho que respira o saudosismo dos melhores tempos do futebol brasileiro.

O dia na Javari pode começar de diversas formas, basta descer pela Rua Taquari, dos Trilhos ou Visconde de Laguna e já se deparar com inúmeros torcedores vestidos de Grená se encaminhando para um dia de futebol. Uma opção clássica pode ser fazer um famoso “esquenta” em qualquer barzinho na região. Se a ideia é matar a fome antes de ir para o jogo, a Esfiha Juventus é parada certa, ou então, pegar uma latinha em qualquer ambulante na frente do estádio e petiscar um espetinho de churrasco.

Ao entrar nas dependências do estádio você logo se remete aos antigos tempos do futebol. Respira-se o ar de uma época em que a paixão estava muito acima das cifras milionárias desse esporte tão maravilhoso. Esse é o espírito juventino, um clube de imigrantes e operários que até hoje contagia do mais jovem ao mais velho torcedor que frequenta àquelas arquibancadas da Mooca.

O ideal é chegar cedo e já ir interagindo com os vários torcedores do Moleque Travesso, que vão de todas as faixas etárias. Todas mesmo! Cada um tem o seu lugar no estádio, atrás das balizas você encontra a turma mais jovem, componentes das duas torcidas organizadas mais barulhentas que você poderia imaginar, pois não param de cantar por sequer um minuto. A Setor 2 é uma das mais famosas e prega o “ódio eterno ao futebol moderno”. Se você quer ficar por lá, basta se direcionar para o gol ao lado esquerdo das arquibancadas cobertas. Tão divertida e animada quanto, atrás do gol do lado direito, encontramos a Ju jovem. Nas arquibancadas cobertas encontramos os torcedores mais velhos, mas que não perdem nada no quesito empolgação. Não é raro encontramos grupos de torcedores de idade bem mais avançada, passando sua paixão pelo Juventus para seus filhos, netos e até bisnetos. Esse é o espírito que move as arquibancadas da Rua Javari.

Torcida Setor 2, umas das mais apaixonadas do Juventus
Torcida Setor 2, umas das mais apaixonadas do Juventus (Foto: Uol)

Tão tradicional quando o próprio estádio é a verdadeira “debandada” que acontece na hora do intervalo das partidas. Não, ninguém está indo embora, todos estão correndo pegar a fila para comprar o famoso Cannoli do seu Antônio na parte de trás das arquibancadas. Difícil mesmo é você conseguir comprar apenas um, com certeza o torcedor quer comprar vários.

Não é difícil saber de onde vem tanta paixão e tradição. O bairro da Mooca perece uma cidade à parte dentro da Grande São Paulo. Com sua colônia italiana, dizem que o bairro tem até um sotaque próprio. Mas esse carinho todo pode vir pelo histórico do pequeno, mas, gigante clube. Pra quem não sabe, foi lá que o Rei do futebol marcou o gol que ele considera ser o mais bonito de sua carreira, algo que, infelizmente, não existem registros, garante um busto à ele logo na entrada da Javari.

Busto em homenagem ao Rei Pelé (Foto: Divulgação / Site Juventus)
Busto em homenagem ao Rei Pelé (Foto: Divulgação / Site Juventus)

Assistir um jogo do Juventus em casa é um encontro ao futebol verdadeiro. Feliz é o filho ou neto que aprende e segue os passos de quem o leva para a Rua Javari, o “maior” templo do futebol paulistano.

Estádio Conde Rodolfo Crespi
Apelido: Rua Javari
Capacidade: 3.800 pessoas
Público Recorde:  15.000 pagantes ( Juventus 1 x 3 Corinthians, campeonato paulista de 1941)

Fontes: trivela.uol.com.br e Juventus

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*