Torneio Início de 1987: três décadas de um campeonato alternativo

Em um dia, 11 jogos, concurso de misses e sorteio com prêmio peculiar

(Foto: Sérgio Sade - Revista Placar)
Por Dudu Nobre, PR

O último fim de semana marcou o começo de nove Campeonatos Estaduais. Emoções no campo e alegria nas arquibancadas, já que os torcedores voltaram a assistir o clube do coração depois das férias e da pré-temporada (algumas vezes com jogos-treino fechados ao público). Mas nem sempre foi assim.

No passado, assim como o Torneio da Flórida atualmente, existiam alguns embates antes dos regionais, como aperitivo do que estava por vir. É por esse caminho que voltamos a 31 de janeiro de 1987, data de estreia do Torneio Início do Paraná. Neste dia também ocorreu a decisão do campeonato! A duração do certame era apenas uma das várias curiosidades que cercavam a quadragésima primeira edição do evento.

Mesmo sendo tradicional, a disputa não acontecia desde 1965. Os 12 clubes que participavam do Paranaense daquele ano jogaram o Torneio Início no Pinheirão – à época um estádio moderno, com dois anos de vida. Para que todo mundo sujasse o calção, as partidas duravam 20 minutos. Se ninguém conseguisse balançar as redes, passava de fase o clube que tivesse mais… Escanteios! Se a igualdade permanecesse nas bolas paradas, não tinha jeito: os vencedores eram definidos nos pênaltis.

Usar um córner como critério de desempate parece exótico, mas o Atlético-PR eliminou Colorado-PR e Pato Branco-PR no quarto de círculo. Tendo o jovem Adilson Batista em campo e com Levir Culpi na casamata, o Rubro-Negro foi o sobrevivente da capital, já que Apucarana-PR e Matsubara-PR também passaram pelas duas fases iniciais.

Em uma competição convencional, a lógica seria fazer um triangular para definir o campeão. Mas, como era o Torneio Início, foi realizado um sorteio que carimbou o passaporte do Apucarana-PR à decisão, enquanto que curitibanos e cambaraenses disputaram a outra vaga, conquistada pelo Furacão com uma vitória por 2 a 0.

(Foto: Lina Faria - Revista Placar)
Concurso antecedeu final do campeonato (Foto: Lina Faria – Revista Placar)

Haja bola rolando! Que tal um concurso de misses antes da grande final? Uma agência de modelos da capital escolheu doze mulheres para representarem os clubes participantes. Por escolha da galera, Débora Maria Lissa – coxa branca – ganhou três mil cruzados (equivalente ao mesmo valor em reais) e o título de Miss Futebol Paranaense. Muitas atrações, não? Mas o Presidente da Federação Paranaense de Futebol da época, Onaireves Moura, achou que precisava de algo mais.

Para atrair público ao Torneio Início, Onaireves resolveu rifar um boi entre os torcedores que compraram ingressos da competição. Apelidado nas ruas de “Cruzado” (moeda da época) e “Funaro” (Ministro da Fazenda do governo Sarney), o animal desfilou pelo centro da cidade e foi o assunto mais comentado no mês que antecedeu o campeonato. No ápice do evento, o felizardo não se manifestou e ninguém levou o bovino pra casa naquele sábado.

Na semana seguinte, após novo sorteio na primeira rodada do estadual, o almoxarife Renato Alves Pereira foi contemplado. Como Renato não tinha espaço para abrigar um boi de 250 kg, recebeu dez mil cruzados da Federação. O bichano foi para uma fazenda em Jacarezinho, norte do estado.

Com tantas excentricidades, o campeonato não poderia terminar de outra forma. Com muito mais de emoção – uma hora de jogo -, o Atlético venceu o Apucarana por 1 escanteio a 0 e levantou o Torneio Início do Paraná de 1987, episódio marcado na  história do futebol do estado.

Fontes: Canal Guerilheiro CAPRevista Placar

2 Comentários em Torneio Início de 1987: três décadas de um campeonato alternativo

  1. Eu moro em Apucarana-Pr, e nunca tinha ouvido falar desse campeonato MORALIZADOR!
    Pena que meu Apucarana perdeu por 1 escanteio a 0.
    Muito legal a reportagem!

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*