A seleção feminina japonesa pode ir bem na Copa e isso não deveria te surpreender.

JAPÃO PODE SURPREENDER NOVAMENTE NA COPA DO MUNDO

Japonesas comemorando o título mundial / Foto: Fifa.com
Por José Augusto Bastos, RJ

No final do ano passado, tivemos a ótima notícia que, pela primeira vez, a Rede Globo transmitirá a Copa do Mundo feminina, passando todos os jogos do Brasil em rede aberta e o Campeonato na íntegra pelo canal por assinatura SporTV. Mesmo não tendo tanto investimento quanto o futebol masculino, já é um grande avanço para o esporte.

Durante um mês, entre 7 de junho e 7 de julho, poderemos acompanhar com mais facilidade todos os passos da nossa Seleção, que será liderada por Marta, eleita pela sexta vez a melhor do mundo na temporada passada. Para isso, terá que mostrar um desempenho tão bom ou melhor quanto as favoritas. Pode encarar a fortíssima seleção estadunidense, detentora de três títulos e, caso passe, pode pegar o Japão nas quartas. Talvez você não saiba, mas as Nadeshiko Japan, como são conhecidas em seu país, podem ser uma pedra enorme na chuteira brasileira.

As japonesas chocaram o mundo em 2011, quando fizeram uma campanha incrível no Mundial daquele ano, vencendo fortes seleções como a bicampeã Alemanha e Suécia, culminando no título contra a favoritíssima seleção dos Estados Unidos. Seria desonesto dizer que foi por sorte, já que elas ainda emplacaram a melhor jogadora e goleadora máxima da competição no seu time, a meio-campista Homare Sawa, que ganharia o título de melhor jogadora do mundo pelo desempenho na competição.

Japão já foi campeão da Copa do Mundo feminina de futebol / Foto: Fifa.com

 

Mostrando ao mundo que o título não foi pura sorte, o projeto japonês continuou com tudo. Na edição seguinte da Copa, em 2015, reeditaram a final, mas desta vez com vitoria das norte-americanas por 5 a 2. Nas olimpíadas de Londres, no ano seguinte, chegaram a final em uma campanha que derrotaram Brasil e França, perdendo o título para os Estados Unidos, em um jogo disputado, mostrando a continuidade do trabalho fora do comum.

Em 2014, venceram pela primeira vez a Copa da Ásia, batendo a favorita Austrália, criando uma rivalidade histórica, reeditando a final em 2018 com outra vitória das Nadeshiko.

Sawa atualmente está com 40 anos e já se aposentou como uma lenda da categoria, tendo seis aparições em copas, 205 jogos disputados pela seleção e 85 gols. Mas isso não quer dizer que a seleção está enfraquecida, já que na última temporada, a zagueira Saki Kumagai esteve entre as 10 melhores jogadoras do mundo.

Saki Kumagai. Foto: JFA

Sendo a única seleção feminina que venceu a Copa do Mundo em todas as categorias possíveis, ganhando o sub-17 em 2014 e o sub-20 em 2018, ganhando também o prêmio de fair-play em todas as ocasiões mostra que, mesmo sem ligas profissionais, elas têm tudo para serem protagonistas nesta disputa.

Fontes: AFC, Globoesporte, FIFA, JFA.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*