CL na Copa: A famigerada geração de ouro da Bélgica

ELES CHEGAM PARA TENTAR MUDAR A FAMA DE "AMARELAR" EM COPAS

Seleção Belga, 2018 (Foto: Site IOL)
Por: Lucas Oliveira, MG

Amigo leitor, é sabido que a Bélgica jamais fora o centro das atenções no certame futebolístico do Velho Continente. Entretanto, a chamada geração de ouro do futebol belga demonstra estar mais preparada do que jamais estivera para enfrentar um desafio como a Copa do Mundo.

Localizado no oeste europeu, a Bélgica é um pequeno país cuja população está estimada em cerca de 11 milhões de habitantes. Sua área total é de 30 mil quilômetros quadrados; para efeito de comparação, o estado de Alagoas possui uma área de aproximadamente 28 mil quilômetros quadrados.

O melhor desempenho dos belgas em mundiais foi nos idos de 1986, no México. Os Diabos Vermelhos surpreenderam ao passar por União Soviética e Espanha, nas oitavas e quartas de final, respectivamente. Caíram nas semis perante a Argentina de Maradona. A mesma Argentina também fora algoz da Bélgica no último Mundial, eliminando-os nas quartas de final. Em 2014, ficou claro a todos que os belgas eram talentosos, isso era indiscutível, porém, não tinham a experiência demandada por uma Copa do Mundo. Sendo assim, era necessário tempo para que o elenco pudesse ser maturado.

Após a frustrante eliminação nas quartas de final perante o País de Gales na Euro 2016, Marc Wilmots fora demitido do cargo. O espanhol Roberto Martínez assumiu o posto de treinador da seleção poucas semanas após a demissão de Wilmots. O jovem técnico de 44 anos, construiu toda sua carreira como atleta e treinador na Inglaterra, obtendo campanhas de destaque com o Everton nas últimas edições da Premier League.

Com o novo técnico vieram novos ares para a equipe. Martínez trouxe o ex-jogador Thierry Henry para ser seu assistente. O espanhol mudou a forma do time jogar implantando um esquema com três zagueiros. A campanha nas Eliminatórias Europeias foi irrepreensível, em dez jogos os belgas saíram com a vitória em nove oportunidades; destaque para o excelente saldo de 37 gols.

Roberto Martínez e seu assistente, o ex jogador Thierry Henry (Foto: Getty)

O futebol belga é, sobretudo, ofensivo. O nível das Eliminatórias Europeias não é dos mais altos, visto que a Bélgica enfrentou seleções como Chipre, Estônia e Gibraltar. Ignorando o ótimo saldo de 37 gols na campanha rumo a Rússia, o estilo de jogo adotado pelo técnico espanhol vale ser destacado. A incessante busca pelo gol não vem de agora, Marc Wilmots implantara essa ideia sabendo da qualidade do elenco.

Ao optar por um esquema com três zagueiros, o comandante conseguiu reforçar o sistema defensivo, sem necessariamente fugir da característica principal: a agressividade no ataque. Os atletas compraram as ideias do treinador, que chega para a Copa com grupo na mão, o que é fundamental para qualquer equipe que almeje um título mundial.

Destaques

Ao olharmos o plantel da Seleção da Bélgica, deparamo-nos com uma quantidade considerável de talentos individuais. Do goleiro ao centroavante, Roberto Martínez tem em mão boas opções para guiar os belgas ao caminho do sucesso. O grande trunfo dos Diabos Vermelhos é sua dupla de meio-campistas: Eden Hazard e Kevin De Bruyne.

O meia do Chelsea, possuiu uma carreira já consolidada na terra da rainha. Hazard chegou em Stamford Bridge em 2012. Fora contratado para fazer parte da reformulação do elenco que havia sido campeão da Champions League naquele mesmo ano. Entre os títulos de destaque do belga estão as conquistas da Premier League nas temporadas 2014/15 e 2016/17. Na campanha do primeiro título nacional, Hazard foi considerado o melhor jogador do torneio.

Rivais em seus clubes, De Bruyne e Hazard são o cérebro da equipe belga (Foto: Getty)

Após boas temporadas no futebol alemão, defendendo Werder Bremen e Wolfsburg, Kevin De Bruyne desembarcou em terras britânicas, contratado pelo Manchester City. Agora sob o comando de Pep Guardiola, De Bruyne vive o melhor momento de sua carreira; protagonista da irrepreensível campanha do título inglês na atual temporada, o meia não levou o prêmio de melhor jogador do campeonato pois seu concorrente também vive ótimo momento; Mohamed Salah vencera a eleição por menos de 20 votos (400 jornalistas participaram do pleito).

Hazard e De Bruyne se conhecem há mais de uma década. Ainda jovens, ambos despontavam nas categorias de base da Bélgica. Apesar de ter bons jogadores em quase todas as posições, um possível êxito dos Diabos Vermelhos na Copa, depende, sobretudo, das atuações de sua dupla de meio-campistas.

Fase de grupos

Assim como em 2014, o país será novamente cabeça de chave da Copa do Mundo. No grupo G, os Diabos Vermelhos enfrentarão Panamá, Tunísia e por último a Inglaterra. Na teoria, belgas e ingleses avançam às oitavas de final, o difícil de apontar é quem classifica em primeiro lugar, visto que a seleção britânica possui uma tradição em mundiais maior que a Bélgica.

A estreia será no dia 18 de junho, contra o Panamá, na cidade de Sóchi. Após garantir a classificação inédita para uma Copa do Mundo, com direito a gol (irregular) aos 42 do segundo tempo, e até invasão de campo de uma idosa tomada pela euforia que somente o futebol nos proporciona, os panamenhos chegam ao mundial sem nenhum peso nas costas, tudo é festa. Que o futebol é imprevisível todos sabemos, porém, analisando os plantéis de cada seleção, é quase que impossível não apontar a equipe de Martínez como favorita. Aos belgas, o interessante seria converter esse favoritismo em gols, visto que o saldo atua como critério de desempate.

Após a estreia, a Seleção voa para a capital Moscou, onde enfrenta a Tunísia no dia 23 de junho. Os tunisianos retornam ao maior torneio do futebol internacional após ficarem de fora dos mundiais disputados na África do Sul e no Brasil. Com quatro vitórias e dois empates nas Eliminatórias Africanas, a equipe treinada por Nabil Mâaloul garantiu a vaga para a quinta Copa do Mundo de sua história sem muitos problemas. Os tunisianos vão em busca de uma classificação inédita para a fase eliminatória da Copa, portanto, não seria de se espantar caso eles fossem para cima da Bélgica em busca da vitória.

O principal adversário da Bélgica na fase de grupos é a Inglaterra. A peleja entre os europeus está marcada para o dia 28 de junho, em Kaliningrado. Ao longo da história, as seleções se enfrentaram somente em quatro oportunidades, os Diabos Vermelhos nunca venceram os britânicos. Os ingleses triunfaram em dois confrontos; os outros dois terminaram empatados. Não há momento melhor para os belgas quebrarem este tabu do que agora, visto que uma vitória na Copa é fundamental para garantir a primeira colocação do grupo G e ir para os mata-matas com o moral da equipe em alta.

Os convocados

No dia 21 de maio, o técnico Roberto Martínez anunciou uma pré-lista dos jogadores que estão convocados para o Mundial. A lista final será divulgada no dia 4 de junho.

A ausência mais sentida pela imprensa e torcedores foi o meiocampista do Roma, Radja Nainggolan. O médio romanista nunca teve um bom relacionamento com o treinador da Seleção da Bélgica, visto que durante a era Martínez fora preterido na maior parte das convocações para a disputa das eliminatórias.

“Nainggolan é um jogador top. A razão é tática. Nos últimos dois anos, a equipe tem trabalhado de um jeito específico. Outros jogadores tiveram esses papéis. Sabemos que ele tem um papel muito importante no seu clube e não podemos dar isso a ele na nossa equipe”, questionado sobre a ausência de Nainggolan, Roberto Martínez disse que a não convocação do meia é por questões táticas

Os jogadores escolhidos por Roberto Martínez foram:

Goleiros: 

Koen Casteels (Wolfsburg-ALE)

Thibaut Courtois (Chelsea-ING)

Simon Mignolet (Liverpool-ING)

Defensores: 

Tobias Alderweireld (Tottenham-ING)

Dedryck Boyata (Celtic-ESC)

Laurent Ciman (Los Angeles FC-EUA)

Thomas Meunier (Paris Saint Germain-FRA)

Vincent Kompany (Manchester City-ING)

Jordan Lukaku (Lazio-ITA)

Christian Kabasele (Watford-ING)

Thomas Vermaelen (Barcelona-ESP)

Jan Vertonghen (Tottenham-ING)

Meiocampistas:

Yannick Carrasco (Dalian Yifang-CHN)

Kevin De Bruyne (Manchester City-ING)

Mousa Dembélé (Tottenham-ING)

Marouane Fellaini (Manchester United-ING)

Nacer Chadli (West Bromwich Albion-ING)

Adnan Januzaj (Real Sociedad-ESP)

Leander Dendoncker (Anderlecht-BEL)

Axel Witsel (Tianjin Quanjian-CHN)

Eden Hazard (Chelsea-ING)

Thorgan Hazard (Borussia Mönchengladbach-ALE)

Atacantes: 

Michy Batshuayi (Borussia Dortmund-ALE)

Romelu Lukaku (Manchester United-ING)

Dries Mertens (Napoli-ITA)

Christian Benteke (Crystal Palace-ING)

Curiosidade: Radja Nainggolan

O meia do Roma merece um tópico exclusivo. Baladeiro e fumante assumido, Nainggolan é dono de uma carreira repleta de polêmicas e controvérsias.

Abandonado pelo pai quando criança, o belga fora criado por sua mãe, que chegou a trabalhar em três empregos para sustentar seus cinco filhos. Radja cresceu em um bairro de imigrantes em Antuérpia. O meia que já declarou publicamente ódio ao rival italiano Juventus, é conhecido por sua personalidade forte e temperamento explosivo. É o típico jogador que “não perde a viagem”, e se precisar sangrar por seu time em campo, assim ele o fará.

“Eu cresci na rua. Tínhamos casa, mas eu ficava na rua sempre até tarde. Cometi alguns erros. Roubei comida, pequenas coisas, quando estava com fome”, disse o médio romanista em entrevista ao Times

Na passagem de 2017 para o ano vigente, Nainggolan mais uma vez foi protagonista de uma polêmica. O meio campista fez várias transmissões ao vivo em sua conta numa rede social onde aparecia bebendo, fumando e promovendo um pequeno show de pirotecnia. Após ser capa dos principais jornais esportivos da Itália, Radja pediu desculpas publicamente à torcida do Roma, dizendo que no réveillon ele foi “um pouco além”.

Naingollan e seu visual deveras… excêntrico (Foto: Getty)

O relacionamento com os técnicos da Bélgica também é curioso. Com o ex treinador dos Diabos Vermelhos, o médio tinha um convívio tranquilo. Marc Wilmots sabia do gosto por cigarros e pela vida noturna, e nem por isso chegaram a ter problemas. O comandante era bastante flexível aos hábitos do volante. Antes do início da Eurocopa 2016, o treinador chegou a solicitar um quarto com varanda para Radja no hotel em que a delegação belga estava hospedada. “Sempre que há concentração, peço para ele um quarto com sacada, para que os alarmes de incêndio não disparem”, disse Wilmots.

Com o atual treinador, nem tudo é tão simples. Roberto Martínez não lida com a mesma facilidade que Marc Wilmots quando o assunto é a polêmica vida de Radja. Desde que assumiu o comando técnico da Bélgica, Martínez deixou Nainggolan de fora de grande parte das convocações para a disputa das eliminatórias. 

O golpe de minerva por parte do treinador foi dado no dia 21 de maio, quando anunciou a pré-lista dos jogadores que defenderão a Bélgica no Mundial. A ausência de Nainggolan era prevista por alguns, que se baseavam no passado recente entre treinador e atleta, porém, parte da imprensa e torcedores acreditavam que Nainggolan pudesse voltar a figurar a lista de Martínez, visto que o médio vem de uma excelente temporada com o Roma.

Após a divulgação dos convocados, Nainggolan anunciou, através de sua conta pessoal numa rede social sua aposentadoria da Seleção da Bélgica.

“Muito relutantemente, minha carreira na seleção chega a um fim. Sempre fiz tudo que pude para representar o meu país. Ser você mesmo pode incomodar. A partir de hoje, serei o primeiro torcedor”

Fontes: SporTV.comGloboEsporte.comESPN

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*