Da zona de rebaixamento ao acesso, Goiás está de volta à elite do futebol brasileiro.

ESMERALDINO VOLTA PARA SÉRIA A APÓS TRÊS ANOS

Por Samir Leão – TO

Após três amargos anos de Série B, o Goiás está de volta à elite do futebol brasileiro, ao lado do Fortaleza, CSA e Avaí. Campeão Estadual em 2018, o time tinha como objetivo principal da temporada não repetir as decepcionantes campanhas de 2016 e 2017, quando ficou apenas na metade da tabela e passou longe de brigar pelo acesso. Contudo o início da competição fez o torcedor lembrar-se dos dois anos anteriores e o desejo de voltar ao patamar dos melhores parecia, mais uma vez, distante da realização.

(Goiás volta a Série A depois de três anos. Fonte: Divulgação)

Nos primeiros nove jogos, apenas cinco pontos conquistados. Quando a competição chegou a sua 13ª rodada, o Esmeraldino já tinha ocupado a zona de rebaixamento para Série C por dez vezes. Longe do fim do Campeonato, o time já parecia entregue a mais um ano de Segunda Divisão. Nessa altura não se falava em acesso e sim na proximidade de um vexatório rebaixamento. Além do início ruim e a queda na Copa do Brasil para o Grêmio nas oitavas de final, o Alviverde assistia o rival Vila Nova brigar na parte de cima da tabela.

Um ano que começou com o título estadual passou a ter elementos trágicos. Nem mesmo o mais cético dos torcedores poderia imaginar um rebaixamento para Série C e o acesso de um grande rival à Séria A na mesma temporada. O time precisava mudar. Principalmente a postura inofensiva e apática que a equipe apresentava dentro de campo. A primeira mudança foi a de praxe: trocar de treinador. Após uma derrota para o Vila por 3 a 1 pela quarta rodada da competição, o técnico Hélio dos Anjos não resistiu e deixou o comando do time. Quem veio para o lugar vago foi Ney Franco.

(Gráfico mostra como o Goiás foi da zona de rebaixamento ao acesso. Fonte: CBF)

Além de elevar a moral da equipe, o novo treinador tinha com um dos principais desafios o sistema defensivo. Em sete jogos, o time tinha a segunda pior defesa com 14 gols sofridos. Apenas na 13ª rodada os goianos conseguiram passar uma partida sem sofrer gols. Ney Franco promoveu mudanças e ganhou peças novas como zagueiro Victor Ramos, que chegou em maio. Mesmo assim não evitou que a equipe terminasse o campeonato com a quarta defesa mais vazada com 50 gols sofridos.

A partir da décima rodada os ventos mudaram no Serra Dourada e o Goiás emplacou uma sequência de sete jogos sem perder. Foram seis vitórias e um empate, isso fez com que o time abandonasse de vez a zona de rebaixamento. Na 18ª rodada a equipe de Ney Franco já ocupava a sexta colocação. A volta de atletas que perderam espaço na era de Hélio dos Anjos, como o meio-campo Giovanni e o atacante Lucão, deram ao time uma nova cara.

Giovanni foi um dos destaques da temporada e a espinha dorsal do meio-campo goiano. Líder de assistências do time na competição, o meia, que deixou os companheiros nove vezes na cara do gol, foi recuado por Ney Franco e passou a jogar como segundo volante, além da segurança defensiva isso proporcionou mais qualidade na saída de bola da equipe. No ataque, ao lado de Michael, Lucão trouxe vida e gols ao ataque alviverde. Por balançar as redes 16 vezes, o atacante terminou a Série B como vice-artilheiro atrás de Dagoberto do Londrina. O clube acabou a competição com 54 tentos a favor.

(O meia Giovanni foi um dos destaques do time na temporada. Fonte: Flávio Corvelo)

Na 24ª rodada o time assumiu um lugar no G4 e lá ficou até o fim. A classificação veio na penúltima rodada após a vitória por 3 a 1 diante do Oeste-SP e graças a uma combinação que ajudou a equipe a permanecer no grupo de acesso mesmo com os resultados da última rodada. Em quarto lugar o time somou 18 vitórias, 14 derrotas e 6 empates. Para 2019, o clube já sofreu a primeira baixa. Um dos grandes responsáveis pela volta a Séria A, o técnico Ney Franco não renovou para a próxima temporada. O treinador alega projetos pessoais e um período de descanso depois de realizar um dos seus principais trabalhos no futebol brasileiro.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*