Kepa e a fábula da personalidade

GOLEIRO RECUSOU SUBSTITUIÇÃO E BRIGOU COM O TÉCNICO

Sarri e Kepa discutem (Foto: AFP/Getty Images)

Por Davi Simões

Chelsea e Manchester City decidiram a Carabao Cup, no fim de fevereiro. E após o 0x0 persistir nos 90 minutos, a decisão seguiu até a prorrogação e foi aí que tudo aconteceu!

Antes do encerramento do tempo extra, o técnico Maurizio Sarri decidiu fazer sua última substituição: trocar o goleiro Kepa pelo reserva Caballero, alegando lesão do titular. Até aí tudo bem, mas acontece que o espanhol SE RECUSOU A SAIR DE CAMPO!

Sim, lembra do Ganso na final do campeonato Paulista de 2010 gesticulando que não sairia? Pois é, foi igual.

Caballero é chamado –  momentos antes da desgraça acontecer. (Foto: reprodução internet)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por um momento, Kepa e Sarri gesticularam um para o outro em campo, quase que “tretaram” em linguagem de sinais, e o camisa 1 seguiu para a disputa de pênaltis. O cenário ideal para ele seria pegar uns dois pênaltis e garantir o título para os londrinos, mas isso não aconteceu, e agravou o desentendimento. Kepa até defendeu uma cobrança. Foi bem na cobrança de Sané. No entanto, não foi capaz de garantir a taça. Os citizens venceram por 3×4 e se sagraram campeões.

Beleza, fim de papo, não? NÃO! Não para a questão que surgiu após tudo isso: personalidade ou falta de respeito com a  hierarquia?

Questão um tanto quanto complicada, afinal, não é normal esse tipo de conduta – não no futebol europeu, porque aqui vemos aos montes. Mas onde está o erro? Ou melhor, existe erro aí?

Para alguns, a ação de Kepa pode ser considerada uma clara demonstração de personalidade e confiança, algo elogiável para um jogador profissional. Para outros, pode apresentar problemas de grupo e desrespeito aos companheiros, principalmente com o técnico e com Caballero, seu reserva.

Pois bem, Kepa foi contratado por um caminhão de dinheiro e se tornou o mais caro do mundo na sua posição. Deveria ser capaz de decidir a favor de seu clube em uma disputa de penalidades. Mas seu técnico não viu assim. Ou pensou que o goleiro estava mesmo lesionado, a ponto de precisar trocá-lo no momento final do jogo? Isso tudo no último minuto, antes da decisão ir às penalidades.

Talvez jamais saibamos, mas motivo o treinador Sarri tinha. Talvez ele acreditasse que Caballero tivesse mais capacidade de parar as cobranças do Manchester. É um goleiro experiente e argentino, leia-se: catimbeiro. Sarri conhece o grupo, está no dia a dia. Nós só podemos questionar e confabular.

Mas e Kepa, o que justifica agir de tal maneira? Uma vez que, se seu treinador pedir a sua substituição, você não deve questionar, certo? O espanhol pensa diferente e por isso fez o que fez.

O jogo passou, Kepa seguiu e o Chelsea perdeu. Não por culpa de Kepa, ainda que a cobrança de Aguero parecesse defensável e tenha passado por baixo do goleiro. Mas David Luiz também desperdiçou sua chance, parou na trave, porém o mundo tem seu vilão! Kepa foi multado e gerou um reboliço grande dentro do clube. Prato cheio para a imprensa local.

A atitude dele levantou uma questão antiga, embora atualizada para o futebol: manda quem pode, obedece quem tem juízo? Personalidade ou falta de juízo?

O que você acha disso tudo? Tá do lado de quem? Conta aí para a CL, consagrado.

6 Comentários em Kepa e a fábula da personalidade

  1. Lembro bem que quando o Ganso teve a mesma atitude a imprensa brasileira e muitos brasileiros acharam uma atitude louvável digna de “ craque “, como o nosso querido Kepa não obteve êxito acabou sendo execrado. E não ele não estava machucado era apenas tática como fez o lendário técnico Holandês Louis Van Gaal, para desestabilizar os batedores adversários!!! Atitude gloriosa do KEPA embora seja um goleiro fraco na minha opinião que dirá ser o mais caro na posição mas isso é assunto para um outro Post do nosso estimado Davi Simões!! Adorei o texto

  2. Se o técnico queria tirar o goleiro por achar que ele estava machucado e o mesmo estava se sentindo bem, a atitude é compreensível e perdoável.

    Agora se era uma opção técnica, por achar que o Caballero é melhor pegador de pênalti, igual o técnico da Holanda fez na Copa de 2014, o Kepa merece sim ser punido, aí sim seria falta de respeito com o treinador.

    • Com certeza, em ambos os casos, percebe-se falta de comando ou de senso de hierarquia. Falha de ambos os lados, inclusive. No jogo seguinte, Kepa foi ‘punido’ com a reserva, mas um estrago já foi feito.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*