Zé Roberto e o término que parecia nunca chegar

A BRILHANTE E PROFISSIONAL CARREIRA DE ZÉ ROBERTO

O Super Zé! (Foto: FRIEDEMANN VOGEL/GETTY IMAGES)
Por Daniel Bravo, MG

Amigo torcedor, amigo leitor. Nesta semana o futebol brasileiro se despediu daquele que possivelmente foi seu jogador de alto nível mais longevo.  José Roberto da Silva Júnior. Mais conhecido como Zé Roberto, o Super Zé. Nascido em São Paulo no dia 6 de julho de 1974, Zé Roberto foi cria do Palestra de São Bernardo. Ainda na base despertou o interesse da Portuguesa onde iniciaria a carreira em 1994. Dois anos mais tarde, o lateral esquerdo se tornaria uma realidade.

No Brasil, o Super Zé fez parte da Portuguesa vice-campeã do ano de 1996. Ao lado de grandes nomes como Clemer, Alex Alves e Rodrigo Fabri e que tinha como técnico Valdir Espinosa. A Lusa acabou perdendo o título para o Grêmio por critério de classificação da primeira fase. No fim da competição, o lateral esquerdo ganhou o prêmio de Bola de Prata da Placar e rumou-se para o Real Madrid no ano seguinte.

zerobertoportuguesa terra
Primeiro clube profissional, Zé Roberto foi vice brasileiro pela Lusa. (Foto: Terra.com)

Na Europa Zé Roberto chegou como o lateral brasileiro mais caro. Pouco aproveitado no Real Madrid, o jogador acabou retornando ao Brasil para atuar no Flamengo em 1998. O bom brasileiro garantiu o retorno de Zé à Europa e uma transferência ao futebol alemão. O destino foi o Bayer Leverkusen, onde iria iniciar seu caso de amor com o futebol na terra da Oktoberfest. Depois atuou por Bayern de Munique onde ao lado de Lúcio, viveu seu grande momento e conquistou diversos títulos no país. Em rápida passagem pelo Santos conquistou o Paulista de 2007 e retornou à Alemanha onde passou por Hamburgo sem o mesmo sucesso.

Em 2011 o destino do jogador foi o Oriente Médio. No Catar foi contratado para substituir Juninho Pernambucano no Al-Gharafa, o Reizinho voltava ao Vasco. Em 12 jogos, Zé marcou 9 gols e disputou o prêmio de melhor jogador da competição. Aos 38 anos e atuando pelo meio, o Super Zé recebia a 10 do Grêmio, clube onde atuou por dois anos e recebeu a Bola de Prata da Placar, mas sem contrato renovado, partiu para aquele que seria seu último clube na carreira.

Agência Reuters
Ídolo na Alemanha, Zé conquistou 9 títulos pelo Bayern. (Foto: Agência Reuters)

No Palmeiras, Zé Roberto chegou mostrando que ainda tinha muito a fornecer ao clube. Vice paulista, melhor lateral da competição, o jogador se tornou um dos líderes do elenco campeão da Copa do Brasil e Brasileiro em 2016. Ainda para colocar seu nome na história, foi o atleta mais velho a marcar um gol na Libertadores, em 2017.

Se tratando de seleção brasileira, Zé Roberto esteve no grupo que foi vice-campeão do mundo em 1998 quando atuava pela lateral e foi reserva de Roberto Carlos. Em 2006 apesar do fracasso na Copa, atuou pelo meio campo e integrou a seleção do torneio. Foi ainda campeão da Copa América de 1997 e 1999 e venceu a Copa das Confederações em 1997 e 2005.

zeselecaobrasileira
Camisa onze em 2006 e seleção da Copa. (Foto: Spokeo/zerobertooficial.com)

Com a aposentadoria já definida, Zé Roberto assumirá em 2018 o cargo de gestor de elenco no Palmeiras, um cargo que visa ligar time e diretoria, facilitando a relação entre as partes e ajudando a manter o bom clima dentro do clube.

José Roberto da Silva Júnior, o Zé Roberto ou Super Zé. Exemplo de dedicação, profissionalismo e de ser humano. Dono de um caráter admirável, será sempre ídolo na Alemanha e no Brasil. Aos torcedores que o tiveram em seu clube, o carinho ficará para sempre, aos rivais, o eterno respeito ao jogador que parecia eterno, que deixava a aposentadoria sempre para o próximo ano. O dia triste chegou e o Super Zé se despede do futebol aos 43 anos de vida e altíssimo nível técnico.

Obrigado, Zé!

Pesquisa: zerobertooficial

1 Comentário em Zé Roberto e o término que parecia nunca chegar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*